Offshore

Mercado de construção de FPSO envolve estaleiros chineses

Depois da boa notícia da retomada das obras do Comperj, embora ainda se tenha data para o reinício das obras, o mundo do petróleo também está na expectativa pelas obras de construção de diversas plataformas petrolíferas  aqui e em vários países. A Petrobrás vai licitar  outro Fpso de grande escala no final deste ano e planeja iniciar a produção em seu campo petrolífero de Itapu em 2022. A estatal está atualmente licitando    cinco Fpso  para o campo de Búzios, dois para o projeto de recuperação de Marlim, outro para o Parque das Baleias e um segundo Fpso para o Mero (Libra). O Fpso de Itapu pode se tornar o primeiro a ser contratado sob a nova lei de licitação, que entrou em vigo no mês passado.

No mundo há outras oportunidades. Veja a relação: A CNOOC prevê um segundo Fpso para Enping.  A empresa está considerando o uso de um novo Fpso para desenvolver três descobertas de petróleo na parte norte do grupo petrolífero de Enping, na bacia do estuário do Rio das Pérolas, no Mar do Sul da China. Autoridades do setor disseram que a empresa decidiu implantar um novo conceito para desenvolver a nova descoberta do Enping Oilfield Group 15-1 / 18-6 / 10-2, mas esta decisão inicial ainda não foi finalizada.

O Estaleiro Qingdao Beihai recebeu o contrato para fazer um  casco Fpso da  COOEC – Offshore Oil Engineering, da China.  A plataforma será para o campo de petróleo Liuhua 16-2 no Rio das Pérolas, na  Bacia Delta do Mar do Sul da China.

A segunda fase de desenvolvimento do campo de Liza, onde a ExxonMobil é a  operadora, incluirá mais um Fpso com quase o dobro da capacidade do Fpso Liza1, que está  em construção. A segunda fase do projeto de campo de Liza usará os mesmos conceitos básicos da primeira fase, usando um Fpso ancorado disperso e agrupamento de árvores de produção subaquática e injeção de água ao redor do coletor submerso, mas o segundo Fpso (Liza-2) terá a capacidade de produção de até 190.000 barris,  em comparação com a primeira capacidade de produção de 100.000 barris – 120.000 barris / dia. O Liza-2 Fpso será servido por 35-40 poços. Em contraste, o Fpso Liza-1 tem apenas 17 poços, incluindo 8 poços de produção, 9 poços de injeção.

A Modec International e a BW Offshore se tornaram grandes concorrentes, competindo na Petrobrás para fornecer um FPSO. A Modec e a Mitsui & Co, e a Mitsui & Marubeni, formarão uma empresa que arrendará o Fpso Carioca para o campo petrolífero Sépia Saline por um período de 21 anos. A  Modec também está prestes a conseguir  um acordo definitivo para o financiamento do Fpso da Guanabara,  no Campo Petrolífero de Mero, o que lhe permitirá dedicar mais tempo ao seu terceiro novo projeto no Brasil, o Búzios-5.

A Sembcorp Marine Singapore está próxima de um  subcontrato com vários estaleiros chineses  envolvendo  a construção de um casco Fpso. A Sembcorp Marine fornecerá o Fpso para o projeto de gás Karish da empresa Energean, de US$ 1,5 bilhão, na costa de Israel. Fontes da indústria disseram que a Energean, sediada em Atenas, na Grécia, espera que a Sembcorp Marine subcontrate o casco a um estaleiro chinês para recuperar o atraso.  A  Sembcorp Marine selecionou até sete estaleiros na China para buscar cotações, incluindo a COSCO Heavy Industries, a Shanghai Zhenhua Heavy Industry, a China Merchants Heavy Industry (CMHI), a Wison Marine Engineering,  (Weisheng Offshore Engineering),  Qingdao Beihai Shipbuilding e CSSC Huangpu Wenchong Shipping. A Qingdao Beihai Shipbuilding tem uma oferta muito competitiva e  mais foi contratada pela  China National Offshore Oil Engineering (CNOOC) e vai construir um FPSO para o Liuhua 16- 2 campo de petróleo no Mar do Sul da China.

A gigante britânica BP está prestes a determinar o vencedor da disputa para o fornecimento de um FPSO para seu projeto revolucionário de gás Tortice na Mauritânia e no Senegal. A Dhenib-Fumeishi, em cooperação com a COSCO Shipping, sua subcontratada, é atualmente a líder da concorrência e espera obter essa nova encomenda, embora a BP não tenham se decidido. Se a Technibu-Fumeishi for a vencedora, os observadores do mercado acreditam que esta será a primeira vez que o estaleiro chinês vai construir um Fpso para um projeto africano.

O especialista monegasco SBM Offshore manifestou um forte interesse em construir o módulo superior de todos os seus Fpsos usando o conceito Fast4Ward na China. Funcionários da indústria disseram que a empresa selecionou  sete estaleiros chineses como candidatos para a construção do módulo superior Fpso Fast4Ward, incluindo a Offshore Oil Engineering (CNOOC) e a Bemaike Marine Engineering. A  SBM está preparando os documentos para a licitação e espera fazer um contrato de EPC  em agosto deste ano.

Voltar ao Topo
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com