Obras e Paradas

Parada de Manutenção segue até novembro na Celulose Riograndense

A caldeira da linha 2 da CMPC Celulose Riograndense, está em parada técnica desde agosto deste ano.

Um dos maiores cargueiros do mundo, o avião Antonov 124, aterrissou ontem, no Aeroporto Internacional Salgado Filho, trazendo painéis para a caldeira da linha 2 da CMPC Celulose Riograndense, que está em parada técnica desde agosto deste ano.

As peças, que pesam 30,4 toneladas e têm 17,2 metros de comprimento, foram transportadas no meio da tarde até a sede da empresa, em Guaíba. Uma empresa especializada realizou o deslocamento pela BR-290 a 30 km/h. Este é o terceiro lote de material que chega ao Brasil por via aérea.

No entanto, esta é a primeira carga com o uso de um Antonov que vem diretamente a Porto Alegre. As duas anteriores foram transportadas da Finlândia, onde são fabricadas, até o aeroporto de Viracopos, em São Paulo, e, de lá, seguiram por terra até a sede da empresa. Os materiais são necessários para recuperar as caldeiras que sofreram avarias no início do ano. Desde lá, a planta está em parada geral, oficializada junto à bolsa de valores do Chile em agosto, com perdas estimadas em US$ 200 milhões – dano coberto pelo seguro contratado pela companhia.

O planejamento da recuperação estende a parada até o dia 11 de novembro. A planta destina mais de 90% de sua produção ao exterior, tendo como principal mercado a China. Com mais de R$ 5 bilhões em investimento – o maior da história recente da economia gaúcha -, a unidade quadruplicou sua capacidade em 2015, ao passar de 450 mil toneladas para 2 milhões de toneladas ao ano.

De fevereiro a março, a produção na linha 2 esteve parada por 38 dias, quando houve o dano. Segundo o site da empresa, em julho, houve outra pausa de cerca de 30 dias, quando surgiu a identificação de que a operação poderia ter prosseguimento de forma reduzida, ou um plano de troca de partes de tubos das caldeiras seria necessário para a retomada da capacidade nominal. A segunda alternativa prevaleceu.

Outras peças devem ser necessárias para o reparo da linha de produção, porém estas serão entregues a partir de Viracopos e trazidas ao Estado por terra, como os outros lotes. Durante o período, a linha 1, com capacidade produtiva de 450 mil toneladas ao ano, as plantas químicas e a fábrica de papel que produz 60 mil toneladas ao ano mantiveram operação. Assim, a empresa conservou seus contratos com fornecedores com ajustes em seu planejamento de atividades. (Fonte)

++ AINDA NÃO VIU? VEJA MUITAS VAGAS ATUALIZADAS HOJE

Voltar ao Topo
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com