Naval

Pescadores cearenses encontram barco à deriva com 25 imigrantes africanos

Um barco pesqueiro com 27 pessoas que ficou à deriva em alto mar foi encontrado por pescadores cearenses e resgatado na noite deste sábado, 19, na cidade de São José de Ribamar, na região metropolitana da capital São Luís, no Maranhão. De acordo com o capitão dos Portos Marcio Ramalho Dutra Mello, o pequeno barco tinha como destino o Porto de Itaqui, em São Luís, mas devido às suas condições precárias, foi rebocado para o cais de São José do Ribamar, na região metropolitana. A Polícia Federal investiga se os brasileiros agiam como “coiotes”, intermediando a entrada ilegal de imigrantes no país em troca de dinheiro.

Os cearenses rebocaram a embarcação à deriva até um porto no Maranhão. Além dos africanos, havia dois brasileiros. Eles estariam há 35 dias no mar e com escassez de suprimentos.

Segundo o governo do Maranhão, havia dois brasileiros e 25 africanos, de cinco nacionalidades: Senegal, Nigéria, Guiné, Serra Leoa e Cabo Verde. O grupo desembarcou no cais de São José de Ribamar, após operação conjunta com a Marinha e a PF. Atendidos em uma unidade médica, eles apresentavam quadro de desidratação.

Em nota, a Marinha relatou que, na manhã de sábado, por meio da Capitania dos Portos, tomou conhecimento de que uma embarcação estrangeira, supostamente de bandeira haitiana, estaria à deriva a 60 milhas náuticas (cerca de 110 km) de São José do Ribamar. Um sobrevoo realizado pelo Comando Tático Aéreo da Polícia Militar, no entanto, não encontrou a embarcação.

“As primeiras providências foram tomadas ainda no Cais de São José de Ribamar, onde foram realizados os primeiros atendimentos médicos e servidas refeições”, diz o governo do Maranhão, em nota. “A equipe multidisciplinar do Centro Estadual de Apoio às Vítimas (Ceav) também esteve prestando apoio psicológico.”

Os dois brasileiros foram conduzidos à delegacia da Polícia Federal para prestar depoimento. Conforme a nota, o condutor do pesqueiro, Raimundo Lima Patrício, informou que seus estoques de alimentos e água também tinham acabado, após o socorro dado aos 27 ocupantes do Rossana.

A PF também avalia a situação jurídica dos resgatados, afirma a nota. Após liberação médica, o grupo foi encaminhado para o Ginásio Costa Rodrigues, em São Luís. “Seguem assistidos pela Secretaria de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop) em caráter temporário, até que os procedimentos realizados pela Polícia Federal sejam finalizados”, diz o governo. ( Diário do Nordeste)

Voltar ao Topo