Offshore

170 poços offshore em jogo

BE Petroleo detalha projetos apresentados ao IBAMA pelos operadores entre 2018 e este ano.

Um universo de aproximadamente 170 poços. Esse é o escopo dos projetos offshore de E & P cujas fichas de caracterização foram apresentadas ao IBAMA desde 2018 por operadoras de ativos offshore no país, de acordo com uma pesquisa da BE Petróleo.

Há, ao todo, 19 projetos em andamento ou a serem iniciados, distribuídos em sete bacias – a maioria em Santos e Campos (nove no primeiro, quatro no segundo e um envolvendo os dois). A seguir, Foz do Amazonas, com dois empreendimentos, Sergipe-Alagoas (um) e Jequitinhonha (um).

A Equinor norueguesa é responsável pelo maior número de poços pesquisados: 58 em três projetos, um de exploração (North Carcará, com cinco poços) e dois projetos de desenvolvimento (Carcará, com 32 poços, e Peregrino (21 poços).

A ExxonMobil possui três projetos envolvendo 33 poços nos blocos BM-C-753, BM-C-789, BM-S-536, BM-S-647 e Titan (17); SEALM-351, SEAL-M-428, SEAL-M-430, SEAL-M-501, SEAL-M-503 e SEAL-M-573 (11); e BM-C-37 e BM-C-67 (cinco).

A seguir, Shell e Petrobras, com 21 poços cada.

A empresa anglo-holandesa apresentou ao IBAMA quatro projetos que prevêem atividades nos blocos.

BM-S-54 e Sul de Gato do Mato (dez poços), CM-791 (três poços), Alto de Cabo Frio Oeste (cinco poços) e Saturno (três poços).

Os empreendimentos da Petrobras estão relacionados aos blocos BM-J-4 e BM-J-5 (11 poços), Alto de Cabo Frio Central (seis) e Manati (seis).

A seguir estão Enauta (ex-QGEP), com 12 poços referentes ao sistema definitivo de produção do campo de Atlanta; Total (oito poços na Lapa); Karoon (sete poços em Neon e Goiá em Santos); PetroRio (cinco poços na Bacia da Foz do Amazonas); e BP Energy (três poços no Pau Brasil).

Voltar ao Topo