Offshore

Ativos do Mar do Norte terão 34 anos a mais do que se presume

A Diretoria de Petróleo da Noruega (NPD) revelou quinta-feira que concedeu à Equinor consentimento para usar as instalações nos campos de Tordis e Vigdis até 31 de dezembro de 2036 e 31 de dezembro de 2040, respectivamente.

Os consentimentos deveriam expirar em Tordis em dezembro de 2019 e em Vigdis em março de 2024. As instalações estão agora programadas para operar por um total de 34 anos a mais do que se supunha inicialmente.

“A utilização das instalações em Tordis e Vigdis além da vida útil original contribuirá para aumentar a criação de valor na plataforma norueguesa, e isso é um bom gerenciamento de recursos”, disse Arvid Osthus, diretor assistente de desenvolvimento e operações do Mar do Norte do Norte do NPD, em uma organização declaração.

A Equinor é a operadora dos campos, ambos localizados na licença de produção 089 na área de Tampen, na parte norte do Mar do Norte.

O Tordis é desenvolvido com um coletor submarino central ligado às instalações de Gullfaks C. Sete poços de satélite separados e dois modelos submarinos estão conectados ao coletor. O Vigdis é desenvolvido com sete modelos submarinos e dois poços de satélite ligados à instalação de Snorre A.

A Tordis produz desde 1994 e Vigdis desde 1997. Os atuais licenciados em ambos os campos são Equinor, Petoro, ExxonMobil, Idemitsu Petroleum e DEA Norge.

No início deste ano, o NPD aprovou a Equinor para usar a plataforma C no campo Gullfaks no Mar do Norte até 30 de junho de 2036. O Gullfaks C foi instalado em maio de 1989 e começou a produzir em janeiro de 1990. A vida útil do projeto era de 30 anos.

Voltar ao Topo