Energia

Capacidade de renováveis ​​do Brasil cresce em CAGR 6% a 2030

A capacidade total de energia renovável (excluindo pequenas centrais hidrelétricas) no Brasil deverá crescer a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 6%, de 31GW em 2018 para 60,8GW em 2030.

Em um comunicado da empresa, a GlobalData revelou que as descobertas entre 2019 e 2030, os segmentos de energia solar fotovoltaica e vento terrestre devem crescer em CAGRs de 14% e 6%, respectivamente. O aumento significativo dessas duas tecnologias resultará em energia renovável sendo o segundo maior contribuinte para o mix energético do país até 2030.

Arkapal Sil, um Analista do setor de energia da GlobalData, comentou: “A conexão de mais de 25.000 sistemas de energia, principalmente sistemas solares fotovoltaicos à rede brasileira em meados de 2018 sob o esquema de medição líquida, reforça ainda mais o padrão de crescimento renovável durante o período de previsão.

“Os principais desafios para o setor de energia do Brasil são sua dependência excessiva de energia hidrelétrica barata para capacidade de carga básica e falta de uma infraestrutura de rede elétrica robusta. Em 2018, a energia hidrelétrica representou 62,7% da capacidade instalada total do país. Em caso de seca, o esgotamento dos reservatórios da barragem pode resultar em escassez de energia e a mudança para a dispendiosa energia térmica, o que aumentará os preços da eletricidade. ”

No longo prazo, espera-se que a capacidade de energia hidrelétrica diminua e seja compensada com o aumento da capacidade de energia renovável. Por outro lado, as capacidades térmicas e renováveis ​​deverão aumentar e contribuir com 28% e 18%, respectivamente, da capacidade instalada em 2030.

Sil concluiu: “O Brasil está caminhando para um mix energético equilibrado enquanto se prepara para dobrar sua capacidade de energia renovável não-hídrica em 2030. Com um aumento de quase 10 GW na capacidade de energia térmica até 2030 em comparação com 2018, o país está em curso para melhor gerenciar pico de demanda, reduzir a dependência de energia hidrelétrica e manter uma rede saudável ”.

Voltar ao Topo