Offshore

Cluster do pré-sal com o menor custo de extração para a Petrobras

Os resultados financeiros apresentados pela Petróleo Brasileiro SA (Petrobras) para o segundo trimestre de 2019, detalham pela primeira vez os custos de extração com base em 4 categorias de localização das operações e nas quais o cluster do pré-sal mantém o melhor desempenho.
O desagregado da Petrobras, incorporado em 2019 para relatar os custos de extração da empresa, passa a ser composto por 4 categorias: águas rasas, onshore, águas profundas e o cluster do pré-sal.

Os custos de extração referem-se a todos os custos de produção de petróleo e gás após a conclusão da fase de perfuração.

No segundo trimestre (2T2019), a produção da região do pré-sal da Bacia de Campos atingiu um novo recorde mensal de 2,07 milhões de barris de óleo equivalente por dia (MMboed), este recorde também é acompanhado pelo obter para a Petrobras os menores custos de extração na região do pré-sal, comparado a todas as outras áreas de produção da empresa.

No 1T2019, a Petrobras conseguiu obter custos de extração de US $ 6 por barril de petróleo bruto equivalente (boe) no cluster do pré-sal, o que representa uma redução de 9% em relação ao 1T2019 quando esse custo foi de US $ 6,6 / boe.

Vale ressaltar que ao fazer uma comparação com os custos de extração em águas rasas, onde os custos para a Petrobras foram de US $ 31,6 / boe, constata-se que estes são 427% maiores que os obtidos no pré-sal. .

Os excelentes resultados das regiões do pré-sal das bacias de Santos e Campos levaram a Petrobras a aumentar a participação dessa região no portfólio da empresa, por isso nos últimos meses o número de plataformas tem aumentado FPSO (Floating Production, Storage e Oil Transfer) na região do pré-sal, alinhada à estratégia de direcionar os investimentos para os ativos que geram maior retorno para os acionistas.

Atualmente, a participação do segmento Offshore (águas profundas e ultraprofundas) no portfólio é de 55% e a visão é chegar a 88% até 2020.

A exploração da região do pré-sal no Brasil começou em 2006 pela Petrobras, este cluster que se estende nas bacias de Santos, Campos e Espiritu Santo, está localizado a mais de 300 quilômetros da costa e representa depósitos de petróleo com Reservas estimadas de mais de 31.000 milhões de barris, presas sob uma espessa camada de sal de 2.000 a 5.000 metros de espessura, que por sua vez está abaixo de uma camada de sedimento (pós-sal) com mais de 2.000 metros de espessura.

Voltar ao Topo