Biocombustíveis

Demanda brasileira de GNL aumenta perspectivas de terminais

Carga de GNL chegando ao Brasil (Petrobras)

O Brasil está regaseificando mais Gás Natural Liquefeito (GNL) este ano, à medida que o combustível se torna mais competitivo em termos de custo. Os três terminais operacionais de GNL do país ainda estão trabalhando com apenas uma fração de 47,00 milhões de metros cúbicos por dia (MMcm / d) de capacidade de regaseificação, mas a crescente participação do GNL no suprimento de gás é um sinal positivo para os muitos novos terminais em consideração no Brasil.

A demanda de gás no Brasil foi em média 69,80 MMcm / d no primeiro semestre de 2019. Isso diminuiu 11,5% em relação ao primeiro semestre de 2018, liderado por uma menor participação dos setores industrial e de energia. A demanda de GNL aumentou apesar do declínio na demanda total de gás, uma vez que seu preço competitivo permitiu obter participação de mercado das importações de tubulações bolivianas.

O Brasil importou 1,6 mt de GNL entre janeiro e o final de agosto de 2019, 30% a mais do que no mesmo período de 2018, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Apesar do aumento no volume, o custo foi 4% menor, com pouco mais de US $ 490 milhões. A maioria do GNL veio dos Estados Unidos e Trinidad e Tobago.

Todos os três terminais operacionais de GNL do Brasil são operados pela Petrobras, mas isso deve mudar no próximo ano. Como parte de um acordo com o regulador antitruste brasileiro CADE, o gigante estatal tem até setembro de 2020 para publicar um processo de licitação competitiva para o uso de sua instalação na Bahia, com um prazo de arrendamento que se estenderia até o final de 2023.

Além disso, um projeto particular de GNL de energia em Barra dos Coqueiros, em Sergipe, deve entrar em operação no início de 2020. Outro projeto de terminal de GNL, localizado no Porto de Açu, no estado do Rio de Janeiro, será iniciado. a primeira de suas duas usinas a gás em 2021, com a segunda entrando em operação em 2023.

Segundo a instituição de pesquisa e planejamento do ministério, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), 23 novos projetos de terminais de GNL foram propostos no Brasil. Apenas um deles foi projetado para ser construído em um porto público – Vila do Conde em Barcarena, no estado do Pará – enquanto os outros são terminais privados. Desses projetos, 10 chegaram à fase de licenciamento.

MONTANTE MÉDIO DE GNL REGASIFICADO NO BRASIL, POR TERMINAL

Demanda brasileira de GNL aumenta perspectivas de terminais

GNL cimenta seu papel

Apesar do aumento antecipado dos suprimentos dos campos do pré-sal e da bacia de Sergipe-Alagoas no Brasil, a EPE observou em um estudo recente que as importações de GNL continuarão a desempenhar um papel de destaque no mix de gás do país.

Os terminais de GNL do Brasil são usados ​​principalmente para abastecer as usinas do país, principalmente durante períodos de baixa produção hidrelétrica causada pela seca. O GNL poderá aumentar seu papel nos próximos anos se a construção da infraestrutura adicional necessária para aumentar a produção de gás doméstico for atrasada. Os campos do pré-sal no Brasil precisarão de mais capacidade de take-away a tempo de acelerar a produção em meados da próxima década.

No início deste mês, a EPE apresentou seu Plano Indicativo de Oleoduto. O objetivo é expandir a rede de dutos do país em 20% e conectar-se a várias unidades planejadas de processamento de gás e terminais de regaseificação – incluindo os projetos em Barra dos Coqueiros e no Porto de Açu. A demanda de gás das usinas termelétricas próximas sustentou os planos de investimento recentes nos terminais de GNL no Brasil, e a conexão dos terminais à rede nacional também permitiria que as instalações usassem capacidade não utilizada para abastecer outros setores.

O terminal da Bahia também pode precisar fretar um novo navio de regaseificação. A Petrobras pretende transferir um de seus dois FSRUs para as instalações de GNL na Baía de Guanabara depois de alugar seu terminal na Bahia, disse Rafael Imbuzeiro, gerente geral de logística da empresa, à Interfax Natural Gas Insight, durante a conferência do Rio Pipeline no início deste mês. .

Experiência da Excelerate Energy O FSRU está estacionado no terminal da Bahia, e o Golar Winter é baseado nas instalações de Pecém, confirmou um porta-voz da Petrobras. Os navios estão sob contrato até 2029 e 2024, respectivamente.

Voltar ao Topo