Energia

Enel Green Power inicia a construção do maior parque eólico da América do Sul

A instalação de energia eólica da Lagoa dos Ventos é composta de 230 turbinas eólicas, e uma vez totalmente em operação, poderá gerar mais de 3,3 TWh por ano, evitando a emissão de mais de 1,6 milhão de toneladas de CO2 na atmosfera.

A usina eólica de 716 MW Lagoa dos Ventos, localizada no Piauí, é o maior projeto de turbinas eólicas da Enel Green Power em todo o mundo e, uma vez totalmente operacional, poderá gerar mais de 3,3 TWh por ano.

A Enel investirá cerca de 3 bilhões de reais, equivalentes a mais de 700 milhões de euros no câmbio atual, na construção da usina eólica.

A Enel, através de sua subsidiária brasileira de energia renovável Enel Green Power Brasil Participações Ltda. (“EGPB”), iniciou a construção do parque eólico Lagoa dos Ventos, de 716 MW, nos municípios de Lagoa do Barro do Piauí, Queimada Nova e Dom Inocêncio, no estado do Piauí. A Lagoa dos Ventos, que deve entrar em operação em 2021, é a maior instalação eólica atualmente em construção na América do Sul e o maior parque eólico da Enel Green Power em todo o mundo. O investimento para a construção da instalação será da ordem de 3 bilhões de reais, o equivalente a mais de 700 milhões de euros pelo câmbio atual, em linha com o plano estratégico 2018-2021 da Enel e será financiado pelas próprias fontes do Grupo.

“O início da construção deste projeto de energia eólica recorde no Brasil é um marco importante para a nossa presença no país, que continua a ser um dos mercados mais proeminentes da Enel Green Power”, disse Antonio Cammisecra, chefe da Enel Green. Power, a linha de negócios globais de energia renovável do Grupo Enel. “Como a maior instalação eólica da Enel Green Power em todo o mundo, a Lagoa dos Ventos estabelecerá um novo padrão mais elevado na construção de uma grande infraestrutura de energia sustentável, contribuindo ainda mais para a diversificação do mix energético do país.”

Do total de capacidade instalada do parque eólico, 510 MW foram concedidos à Enel Green Power no concurso público A-6 do Brasil em dezembro de 2017 e são suportados por contratos de fornecimento de energia de 20 anos com um conjunto de empresas de distribuição operando no mercado regulado do país. enquanto a produção dos 206 MW restantes será entregue ao mercado livre para venda aos clientes de varejo, alavancando a presença integrada da Enel no país.

Dada a grande escala do projeto, a EGPB projetou um layout de planta inovador baseado em uma avaliação de recursos eólicos de alta resolução para otimizar a produção de energia do projeto. Além disso, a EGPB usará uma variedade de ferramentas e métodos inovadores para construir a Lagoa dos Ventos, como sensores de proximidade em máquinas para aumentar a segurança do local, drones para levantamento topográfico, rastreamento inteligente de componentes de turbinas eólicas, além de plataformas digitais avançadas e software soluções para monitorar e acompanhar remotamente as atividades do site e o comissionamento da planta. 

Esses processos e ferramentas permitirão uma coleta de dados mais rápida, precisa e confiável, melhorando a qualidade da construção e facilitando a comunicação entre equipes locais e externas. A empresa também implementará iniciativas em conformidade com o modelo “Local de Construção Sustentável” da EGP,

No Brasil, o Grupo Enel, por meio de suas subsidiárias EGPB e Enel Brasil, gerencia cerca de 2,9 GW de capacidade renovável, dos quais 842 MW de energia eólica, 820 MW de energia solar fotovoltaica e 1.269 MW de energia hídrica. Além disso, o EGPB tem mais de 1 GW em execução no Brasil, adjudicado em 2017 concursos.

Enel Green Power é a linha de negócios globais do Grupo Enel dedicada ao desenvolvimento e operação de energias renováveis ​​em todo o mundo, com presença na Europa, Américas, Ásia, África e Oceania. A Enel Green Power é líder global no setor de energia verde com uma capacidade gerenciada de cerca de 43 GW em um mix de geração que inclui eólica, solar, geotérmica e hidrelétrica, e está na vanguarda da integração de tecnologias inovadoras em usinas renováveis.

Voltar ao Topo