Energia

Enel inicia a expansão do parque solar de 133MW São Gonçalo

A expansão eleva a capacidade geral de São Gonçalo para 608MW, observou uma declaração da empresa.

O grupo investirá cerca de € 100 milhões (US $ 111 milhões) na construção da nova seção de 133MW.

Antonio Cammisecra, chefe da Enel Green Power, disse: “Estamos expandindo ainda mais a São Gonçalo, a maior usina solar da América do Sul atualmente em construção, reforçando nosso compromisso de aumentar nossa capacidade renovável no Brasil, onde somos o principal participante tanto de energia solar quanto vento em termos de capacidade instalada e portfólio de projetos.

“O perfil de produção de São Gonçalo se beneficiará ainda mais da nossa liderança em inovação, inclusive por meio de tecnologias de geração de ponta. A fábrica dedicará uma parcela significativa de sua produção, incluindo toda a produção de sua nova expansão, ao mercado livre de energia do Brasil, que é cada vez mais atraente para os investidores renováveis ​​”.

A usina solar de São Gonçalo, com 608MW, deve iniciar suas operações em 2020, com a construção da primeira seção de 475MW iniciada em outubro de 2018. A capacidade total instalada de São Gonçalo é de:

343MW, incluindo os 133MW da nova seção e uma parcela de 210MW da primeira seção, são suportados por contratos de fornecimento de energia negociados com clientes corporativos no mercado brasileiro de energia livre;
265MW da primeira seção são suportados por contratos de fornecimento de energia de 20 anos com um grupo de empresas de distribuição que operam no mercado regulado do país.

Uma vez plenamente operacional, a expansão do parque solar poderá gerar cerca de 360 ​​GWh por ano, evitando a emissão de cerca de 207.000 toneladas de CO2 para a atmosfera a cada ano.

Com a expansão em operação, toda a planta de 608 MW será capaz de gerar mais de 1.500 GWh anualmente, evitando a emissão de mais de 860.000 toneladas de CO2 na atmosfera a cada ano.

A usina de São Gonçalo é a primeira fábrica da Enel no Brasil a usar módulos solares bifaciais que captam energia solar de ambos os lados do painel. Espera-se que os módulos inovadores aumentem a geração de energia em até 18%.

Voltar ao Topo