Energia

Energia Solar impulsiona desenvolvimento social nas favelas do Brasil

“Não podemos trabalhar apenas para pagar a conta de luz”, reclamou José Hilário dos Santos, presidente da Associação de Moradores de Morro de Santa Marta, favela ou favela lotada em Botafogo, um bairro tradicional de classe média no Rio de Janeiro.

O alto custo da eletricidade na favela deve-se às estimativas de consumo feitas pela Light , a distribuidora de eletricidade local, com base na telemetria, sem a leitura dos medidores em cada casa, acredita Santos.

“A conta é alta mesmo quando você não está em casa, quando está viajando”, lamentou.

O constante aumento de eletricidade ao longo dos anos transformou a energia solar em um desejo geral, especialmente entre os pobres nas favelas, que representam quase um quarto dos 6,6 milhões de habitantes do Rio de Janeiro, porque a conta de energia elétrica absorve uma grande proporção. de sua renda.

Mandundu Muziala Washiwa, um imigrante da República Democrática do Congo, agora um guia turístico no Rio de Janeiro, fica em frente à cabine de informações turísticas na entrada da favela do Morro de Santa Marta, cuja eletricidade vem de dois painéis solares. Crédito: Mario Osava / IPS

Mandundu Muziala Washiwa, um imigrante da República Democrática do Congo, agora um guia turístico no Rio de Janeiro, fica em frente à cabine de informações turísticas na entrada da favela do Morro de Santa Marta, cuja eletricidade vem de dois painéis solares.

Pelo menos 15 instituições públicas do Santa Marta já possuem instalações solares que reduzem seus custos com energia, graças à Insolar, uma empresa de “negócios sociais” que atua no bairro desde 2015.

Quatro creches, igrejas, a Associação de Moradores, uma escola de música e a escola de samba local agora têm sistemas de energia solar, com o apoio da gigante petrolífera anglo-holandesa Shell.

Agora a ideia é estender a iniciativa para 30 empresas no “morro” ou morro onde a favela de Santa Marta está localizada. Além do que, além do mais, Insolar está buscando financiamento para instalar sistemas piloto em outras 14 favelas no Rio de Janeiro, para expandir a energia solar, para a qual há uma demanda crescente nessas áreas, disse Henrique Drumond, o fundador da empresa.

“Nosso objetivo é democratizar a energia solar”, explicou ele. “Estamos fazendo isso junto com os moradores locais, envolvendo-os em todo o processo, treinando mão de obra local”, disse à IPS, que fez várias visitas a Santa Marta e outras favelas para conversar com os moradores sobre a chegada da energia solar em suas vidas. e suas economias.

Em Santa Marta, 35 pessoas completaram um curso de eletricidade e instalação de painéis solares, e alguns deles estão trabalhando nesta área hoje, disse Drumond. “As pessoas são o nosso principal ativo”, afirmou.

A primeira instituição beneficiada foi a creche comunitária Mundo Infantil , fundada em 1983 por mulheres locais, com o objetivo de facilitar o trabalho das mães. Hoje atende 60 crianças de um a quatro anos de idade, com 13 funcionários e “voluntários ocasionais”.

A eletricidade que custou ao centro cerca de 300 reais (80 dólares) por mês caiu para zero várias vezes. “Usamos as economias para melhorar a dieta das crianças”, disse a diretora Adriana da Silva, que disse que a contribuição financeira que ela recebe do governo da cidade é insuficiente.

Uma vista do terraço com a estátua do falecido pop star americano Michael Jackson, que em 1996 gravou um videoclipe em Santa Marta, que transformou este bairro pobre em uma colina do Rio de Janeiro em uma atração turística. Na frente, a "árvore solar", com painéis fotovoltaicos e uma bateria para gerar eletricidade capaz de fornecer iluminação em caso de emergência, como os apagões, e com plugues para carregar dispositivos móveis. Crédito: Mario Osava / IPS

Uma vista do terraço com a estátua do falecido pop star americano Michael Jackson, que em 1996 gravou um videoclipe em Santa Marta, que transformou este bairro pobre em uma colina do Rio de Janeiro em uma atração turística. Na frente, a “árvore solar”, com painéis fotovoltaicos e uma bateria para gerar eletricidade capaz de fornecer iluminação em caso de emergência, como os apagões, e com plugues para carregar dispositivos móveis. Crédito: Mario Osava / IPS

A maior instalação solar foi instalada em outra creche, o CEPAC , na parte mais baixa e melhor urbanizada de Santa Marta, que atende uma média de 150 crianças e está ligada a uma escola católica de ensino fundamental e médio, o Santo Inácio.

“A fatura de eletricidade chegou a quase US $ 5.000 em 2016 e caiu para um quinto disso”, graças à energia solar, disse Janaina Santos, diretora acadêmica do centro educacional jesuíta, que ocupa um prédio de cinco andares. Nesse caso, as economias foram usadas para expandir a biblioteca e os materiais didáticos.

“A escola tornou-se um ponto de referência e até recebe visitas de estudantes universitários. Além disso, a questão ambiental é importante; aproveitamos para conscientizar as crianças sobre energia e reciclagem de lixo ”, disse ela.

Na verdade, Santa Marta tornou-se uma vitrine de energia solar. A Associação de Moradores de Morro de Santa Marta também obteve um sistema de painéis solares que traz economias equivalentes a 80 dólares por mês, segundo seu presidente.

Unidades e refletores movidos a bateria iluminam becos, pátios e outros locais importantes quando ocorrem freqüentes quedas de energia locais. O bonde que leva as pessoas até a colina de 360 ​​metros, onde vivem os 4 mil habitantes de Santa Marta, também conta com a iluminação solar de emergência.

Vários desses pontos oferecem plugues de transeuntes para carregar baterias de celulares.

O posto de informação turística para pessoas que querem visitar a favela utiliza apenas energia gerada por dois painéis solares, que são armazenados em uma pequena bateria.

Os 12 guias que acompanham os visitantes são moradores de Santa Marta, credenciados pelo Ministério do Turismo. Vários deles fizeram o curso de instalação de painéis solares organizado pela Insolar.

O presidente da Associação de Moradores de Morro de Santa Marta, José Hilario dos Santos, está em seu escritório de energia solar na favela, que fica no bairro de classe média de Botafogo, no Rio de Janeiro. As ruas íngremes da favela abrigam cerca de 4.000 pessoas. Crédito: Mario Osava / IPS

O presidente da Associação de Moradores de Morro de Santa Marta, José Hilario dos Santos, está em seu escritório de energia solar na favela, que fica no bairro de classe média de Botafogo, no Rio de Janeiro. As ruas íngremes da favela abrigam cerca de 4.000 pessoas. Crédito: Mario Osava / IPS

“Ofereço meus serviços como eletricista”, disse um deles, Carlos Barbosa, que também é cabeleireiro e ativista ambiental.

“A cada semana, um dos doze está encarregado de abrir o livro às 8h da manhã e orientar a primeira visita, que pode ser individual ou em grupo”, relatou Mandundu Muziala Washiwa, um homem de 50 anos do Partido Democrata. República do Congo que veio ao Brasil “viajar” em 2006 e ficou.

Então, em um primeiro a chegar, primeiro a ser servido, os guias se revezam. Eles são independentes e ganham o que os turistas pagam, cobrando 13 dólares para brasileiros e 40% para estrangeiros, um preço fixo, mas flexível.

Uma estátua do lendário cantor e compositor norte-americano Michael Jackson, em um terraço no centro de Santa Marta, onde gravou um videoclipe em 1996, é “a principal atração turística que garante que tenhamos trabalho”, disse o guia turístico congolês.

“O fluxo de turistas foi forte durante a Copa de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, mas a violência na cidade cresceu e a demanda caiu”, lamentou Washiwa, que fala francês, o que também ajuda a encontrar emprego em outros lugares.

Ele está projetando um projeto para um passeio pelo centro do Rio de Janeiro, mostrando monumentos, edifícios e outros marcos da história brasileira de escravos trazidos da África.

No terraço com a estátua de Jackson, que morreu em 2009, Andreia Miranda, 38, vende lembranças da cantora, camisetas e objetos relacionados à música pop em uma pequena loja onde ela espera ter energia solar em breve.

O trem elevador utilizado pelos moradores da favela Santa Marta, na zona sul do Rio de Janeiro, foi construído em uma colina de 360 ​​metros de altura. Nas estações, pequenos sistemas solares fornecem energia para iluminação de emergência e tomadas para carregar baterias de telefones celulares. Crédito: Mario Osava / IPS

O trem elevador utilizado pelos moradores da favela Santa Marta, na zona sul do Rio de Janeiro, foi construído em uma colina de 360 ​​metros de altura. Nas estações, pequenos sistemas solares fornecem energia para iluminação de emergência e tomadas para carregar baterias de telefones celulares. Crédito: Mario Osava / IPS

“Eu gastei 960 reais (255 reais) no mês passado, tenho que usar o ar condicionado por causa do calor e pretendo expandir a loja. Agora é a vez dos negócios buscarem ajuda da Insolar ”, disse Miranda, que preside a Câmara de Comércio de Santa Marta e estima que existam 100 empresas na comunidade,“ o dobro de oito anos atrás ”.

“Pagamos um preço absurdo pela eletricidade, mais do que os ricos da cidade”, disse ela, concordando com o diretor da creche Mundo Infantil.

Uma reclamação semelhante foi dita por Bibiana Ángel, uma imigrante colombiana de 35 anos que em 2016 instalou um sistema solar em seu hotel em Babilônia, uma favela perto da famosa praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro.

A economia na conta de energia elétrica de cerca de 600 reais (160 dólares) por mês já permitia que ela pagasse em apenas dois anos o empréstimo com o qual comprou seus 12 painéis fotovoltaicos.

Mas o Estrelas Hotel é um projeto ambiental, disse ele. Além da energia solar, utiliza lâmpadas e equipamentos de baixa energia e cultiva mudas em um pequeno viveiro que doa as plantas ou as utiliza no jardim do hotel.

Também separa o lixo para reciclagem, e os materiais recicláveis ​​são entregues à Light, que em troca reduz a conta de luz.

Um grupo de moradores locais está tentando criar uma cooperativa cujo objetivo é instalar a energia solar nas casas das pessoas, para melhorar as condições de vida na favela. Mas eles estão enfrentando dificuldades em custos, bem como regras de geração distribuída.

Voltar ao Topo