Energia

Engie vai financiar energia eólica no Brasil com vendas futuras

A Engie SA está em negociações para estabelecer contratos de venda de energia eólica que permitiriam a construção de parques eólicos com 300 megawatts de capacidade, disse seu diretor financeiro nesta sexta-feira.

A Engie Brasil Energia está negociando os contratos no chamado mercado livre que permitiriam a construção de novos parques eólicos sem passar pelos leilões do governo brasileiro, disse seu CFO Carlos Freitas à Reuters em uma entrevista.

“Já estamos fechando contratos e buscamos atingir uma massa crítica que viabilize o investimento”, afirmou Freitas. “Esperamos fazer um anúncio em breve”.

A concorrência acirrada no mercado regulado de energia do Brasil reduziu os contratos de energia eólica no ano passado, registrando baixas de 67,60 reais por MWh. Mas no mercado livre, contratos de médio prazo podem ser assinados por 170 reais por MWh, de acordo com a plataforma de negociação eletrônica da BBCE.

“Os preços dos leilões no mercado regulado não são atraentes para nós, então preferimos focar no mercado livre, onde temos a vantagem de ser o maior player do Brasil”, disse Freitas.

Grandes parques eólicos que a Engie está construindo já permitem economias de escala que reduzem custos, mas exigem investimentos pesados, disse ele.

O complexo de parques eólicos Umburanas de 360 ​​MW no estado da Bahia, que tem 70% de sua produção futura de energia já vendida no mercado livre, envolve investimentos orçados em 1,8 bilhão de reais.

A fase 1 do complexo Campo Largo, também na Bahia, custará 1,7 bilhão de reais para construir, com capacidade de 327 MW, todos já contratados, disse ele.

Voltar ao Topo