Offshore

Equinor perfura bem a avaliação seca no Mar do Norte

A gigante norueguesa de petróleo e gás Equinor concluiu a perfuração de um poço de avaliação em uma descoberta de petróleo e gás perto do campo de Fram, no Mar do Norte, mas o poço ficou seco.

O poço 35 / 11-23 A está localizado na licença de produção 090, onde a Equinor é a operadora. O poço foi perfurado cerca de 3 quilômetros a sudoeste do campo de Fram, na parte norte do Mar do Norte e 120 quilômetros a noroeste de Bergen.

descoberta foi comprovada em novembro de 2019 em dois intervalos de arenito nas rochas do reservatório do Jurássico Superior (a Formação Sognefjord), bem como no objetivo secundário de exploração do Grupo Brent.

A Diretoria Norueguesa de Petróleo (NPD) disse na segunda-feira que a estimativa de recursos do operador antes da perfuração do poço de avaliação estava entre 6 e 16 milhões de metros cúbicos padrão (Sm3) de equivalente recuperável de petróleo.

O objetivo do poço era delinear a descoberta no alvo primário de exploração e determinar a razão entre petróleo e gás. O poço de avaliação não foi perfurado até a descoberta que foi feita no alvo de exploração secundária no Grupo Brent.

O poço encontrou água em ambos os intervalos de arenito na Formação Sognefjord. A parte superior tem camadas de arenito de cerca de 40 metros com qualidade de reservatório variando de boa a muito boa, como no poço de descoberta 35 / 11-23. O contato óleo / água foi comprovado com base em dados de pressão. O outro intervalo de arenito possui camadas de arenito de cerca de 30 metros, com boa a muito boa qualidade do reservatório. O poço está seco.

Estimativas preliminares colocam o tamanho da descoberta entre 7 e 16 milhões de metros cúbicos padrão (Sm3) de equivalente recuperável de petróleo. Os licenciados considerarão vincular a descoberta à infraestrutura existente na área Troll-Fram.

O Grupo Viking no Jurássico Superior foi examinado mais de perto no poço de avaliação, uma vez que havia indicações de hidrocarbonetos em uma camada de arenito nesse nível no poço de descoberta 35 / 11-23. Uma camada de arenito com cerca de 10 metros de espessura foi encontrada no poço de avaliação, mas esta foi cimentada e estanque.

O poço não foi testado quanto à formação, mas foram realizadas extensas aquisições e amostragens de dados. Este é o 17º poço de exploração na licença de produção 090, concedida na 8ª rodada de licenciamento em 1984.

O poço 35 / 11-23 A foi perfurado a uma profundidade vertical de 2629 metros e uma profundidade medida de 2853 metros abaixo do nível do mar e foi encerrado no Grupo Viking no Jurássico Superior Médio. A profundidade da água no local é de 350 metros. O poço foi permanentemente obstruído e abandonado.

O poço foi perfurado pela sonda Deepsea Atlantic, que agora perfurará poços de produção no campo Snøhvit na licença de produção 064 no mar de Barents, onde a Equinor é a operadora.

Voltar ao Topo