Óleo e Gás

Equinor segue construindo uma área central no Brasil

Com a produção diária de petróleo de mais de 90 mil barris por dia a partir dos campos atuais e com investimentos previstos de mais de 15 bilhões de dólares até 2030, o Brasil se tornou uma área central para a Equinor.

O Brasil se destaca mundialmente como uma das mais promissoras bacias marítimas de petróleo e gás com uma base de recursos remanescente significativa. Além disso, o país tem um enorme potencial dentro da energia renovável.

Brasil para 2030

O Brasil é uma ótima opção para a estratégia da Equinor, usando os pontos fortes da experiência na plataforma continental norueguesa. Atualmente, a Equinor tem atividades em toda a cadeia de valor, desde a exploração, passando pelas descobertas e desenvolvimento, até a produção, bem como dentro da energia renovável.

A partir de 17 de agosto, o Desenvolvimento e Produção Brasil foi estabelecido como uma área de negócios separada, ilustrando a importância do potencial no país.

“Estamos construindo uma presença no Brasil desde 2001, e conseguimos estabelecer um amplo portfólio de energia no país. Com cerca de 10 bilhões de dólares já investidos e mais de 15 bilhões de dólares previstos para serem investidos até 2030, mostramos como estamos trabalhando para criar valor tanto para o Brasil quanto para a Equinor ”, afirma Anders Opedal, vice-presidente executivo de Desenvolvimento e Produção do Brasil Equinor

Os ativos da Equinor no Brasil incluem o campo produtor Peregrino e a segunda fase desse projeto que deve entrar em operação em 2020, uma participação de 25% no campo gigante de Roncador, as importantes descobertas do pré-sal de Carcará e Pão de Açúcar, bem como área de exploração competitiva globalmente. Em 2017, a Equinor também se uniu como parceira no projeto solar Apodi, que fornecerá energia para 160.000 domicílios até o final deste ano.

“Temos um portfólio com potencial para produzir entre 300.000 e 500.000 barris de óleo equivalente por dia em 2030, dependendo da fase de projetos e do sucesso da exploração. Devido à nossa atuação na Peregrino, construímos uma organização competente que será importante para desenvolver nossos próximos projetos e colocá-los em produção ”, continua Opedal.

Além de esperar um crescimento significativo na produção, a Equinor no Brasil também tem a ambição de explorar ainda mais o crescimento dentro de energias renováveis ​​e novas cadeias de valor de gás natural.

Área de exploração competitiva global

No último ano, a Equinor participou ativamente de novas rodadas de licenciamento offshore, obtendo acesso a áreas significativas nas bacias de Santos e Campos.

“Estamos empolgados com o portfólio de exploração no Brasil. Temos sido muito bem sucedidos nas últimas rodadas de licitações ”, afirma Tim Dodson, vice-presidente executivo de Exploração da Equinor.

“Nossa atual posição é o resultado do pensamento de longo prazo e do trabalho árduo de nossas organizações no Brasil e na Noruega para encontrar as perspectivas certas. Há sempre incerteza na exploração, mas esta é uma província petrolífera comprovada e prolífica, com muitas grandes descobertas na última década. Nos próximos dois anos, esperamos perfurar até cinco poços de alto impacto nas bacias de Campos e Santos, com potencial comparável a alguns dos gigantes que moldaram a plataforma continental norueguesa nas décadas de 1970 e 1980 ”, diz Dodson.

A Equinor está atualmente perfurando o poço Guanxuma na licença BM-S-8. Isto foi declarado como uma descoberta de petróleo pelo regulador brasileiro ANP. Óleo de boa qualidade foi descoberto em um reservatório de carbonato. No entanto, as incertezas permanecem sobre as propriedades do reservatório, e mais trabalho é necessário para esclarecer o potencial de descoberta.

Voltar ao Topo