Equinor

Equinor vê maior produção de campos apoiados por centros digitais

Em apenas alguns meses, os centros de suporte digital criados para ajudar a criar valor, melhorar a segurança e reduzir as emissões das instalações da Equinor na plataforma continental norueguesa (NCS) levaram a bons resultados nos primeiros campos apoiados em terra, disse a Equinor. 

Hoje, 7 de janeiro de 2019, dois centros foram formalmente abertos em Sandsli, em Bergen, pelo ministro norueguês de petróleo e energia,  Kjell-Børge Freiberg .

A Equinor estabeleceu a ambição de aumentar a criação de valor dos campos do NCS em mais de US $ 2 bilhões de 2020 a 2025, por meio de medidas como suporte a operações em terra.

A novidade deste ano é que o monitoramento do consumo de energia para reduzir as emissões de CO2 das operações do NCS será melhorado com o apoio dos centros digitais.

Até 2021, todos os campos da Equinor no NCS serão apoiados por centros terrestres tripulados em Bergen, Stavanger e Stjørdal.

Arne Sigve Nylund , vice-presidente executivo de Desenvolvimento e Produção da Noruega, disse: “Até agora, vemos uma produção e ganhos maiores dos campos Grane, Gina Krog e Åsgard, que têm sido apoiados pelo centro de suporte operacional integrado (IOC) desde setembro. . Depois disso, os campos de Aasta Hansteen e Norne também foram conectados ao centro. Isso marca que acabamos de começar a implantar nossas 40 instalações no COI, revelando um grande potencial ”.

“Os bons resultados são alcançados através da otimização da produção, melhoria do monitoramento de condições e suporte às operações para operação offshore segura. O COI também será relevante para nossas instalações em terra e atividades internacionais ”, diz Nylund.

‘Central na redução das emissões de CO2’ 

O centro do COI será central na redução das emissões de CO2 do NCS. A Equinor implementou mais de 300 medidas de eficiência energética nas instalações do NCS de 2008 até os dias de hoje, reduzindo as emissões anuais de CO2 em quase 1,6 milhão de toneladas até o momento. A empresa pretende reduzir as emissões de CO2 em 3,2 milhões de toneladas por ano até 2030. Outras medidas de eficiência energética e novas soluções energéticas ajudarão a atingir esse objetivo.

“Estabelecemos metas ambiciosas para mudar e transformar o NCS para manter a criação de alto valor e baixas emissões para as próximas décadas. Melhoramos nossa eficiência operacional, aumentamos a produção, reduzimos nossas emissões de CO2 e desenvolvemos um portfólio de projetos altamente lucrativo. A digitalização, a inovação e o uso de novas tecnologias nos permitirão recuperar recursos que não são lucrativos agora ”, diz Nylund.

Segundo a Equinor, o COI também melhorará sua colaboração com fornecedores e parceiros e aumentará a transferência de conhecimento em toda a organização.

“O COI nos fornece novas ferramentas digitais, garantindo decisões mais rápidas e melhores através de uma interação próxima entre as operações offshore e o centro de suporte onshore. Nosso principal objetivo é operar nossas instalações de maneira segura e otimizada todos os dias, identificando os desafios e evitando paralisações antes que eles ocorram ”, afirma  Kjetil Hove , diretor de tecnologia de operações da NCS.

A Equinor disse que o outro centro a ser formalmente inaugurado na segunda-feira, o Centro de Operações Geográficas (GOC), garantirá um controle mais eficiente e melhor da geociência das operações de perfuração, bem como maior economia de custos e pessoal. O monitoramento e o controle da perfuração de poços offshore serão transferidos de instalações offshore e de várias unidades terrestres para um centro de operações geocientíficas. O GOC deverá economizar NOK 270 milhões por ano.

“Esta é uma maneira completamente nova de trabalhar e representa uma das maiores mudanças que fizemos na tecnologia de petróleo e geologia nos últimos 20 anos. O Governo da RPC irá utilizar novas tecnologias e ajudar a formar um futuro digital, onde as tarefas são realizadas e a experiência ganha e compartilhada de maneiras inteligentes ”, diz Hove.

Abertura do Centro de Operações Integradas em Bergen. Foto: Ole Jørgen Bratland / Equinor
Voltar ao Topo