Notícias

EUA impede exportação de petróleo iraniano e bagunça o mercado oriente

EUA impede exportação de petróleo iraniano e bagunça o mercado

Após mudanças de sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos ( EUA) a quem comprar petróleo iraniano, o mercado do petróleo ficou bagunçado. Segundo o ministro de Petróleo do Iraque, a região tem planos de contingência para qualquer paralisação das importações de gás iraniano, mesmo acreditando que essa interrupção não ocorra.

Thamer Ghadhban completou dizendo que a próxima reunião do comitê de monitoramento ministerial da Opep na Arábia Saudita deve avaliar o comprometimento dos Estados membros com a atual redução da produção e que os atuais preços e mercados de petróleo estão estáveis. A Turquia, que recebia petróleo do Irã,  quer aumentar a compra do petróleo iraquiano. Essa manifestação foi feita um dia depois que o primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdul Mahdi, viajou à Turquia para se encontrar com o presidente Tayyip Erdogan.

Mesmo com alguns participantes americanos em suas tropas o Iraque ainda depende das importações de gás iraniano para o fornecimento de eletricidade, que sofre com uma demanda maior do que o habitual durante os meses quentes do verão. A falta de eletricidade foi uma queixa dos manifestantes em protestos que acabaram em violência no centro de petróleo de Basra, no Iraque, no ano passado.

Segundo informações da Agência Internacional de Energia (AIE), mesmo com todo acontecimento o mundo deverá demandar pouco petróleo adicional da OPEP  em 2019,com com alta  produção nos Estados Unidos irá compensar a queda nas exportações do Irã e da Venezuela. Para a agência, a decisão de Washington as sanções ajudaram  a traçar um panorama confuso sobre a oferta. No entanto,  diz o relatório, houve sinais claros, e na visão da AIE,  bem vindos, de outros produtores no sentido de que irão substituir a produção do Irã.

Os países que compõem a OPEP produziram em abril cerca de 440 mil barris por dia (bpd) menos que o acertado no acordo de produção entre o grupo e aliados. A Arábia Saudita produziu 500 mil bpd abaixo de sua alocação:  houve uma modesta compensação das preocupações com a oferta pelo lado da demanda”, uma vez que ela espera um crescimento na demanda global em 2019 de 1,3 milhão de bpd, ou 90 mil bpd abaixo do estimado anteriormente.

A partir dessas produções, a demanda global por petróleo seria de em média 100,4 milhões de barris por dia em 2019, ultrapassando os 100 milhões de bpd pela primeira vez. Mas a agência acrescentou que uma produção maior fora da Opep, especialmente nos EUA no segundo trimestre, deverá manter o mercado bem abastecido.

Voltar ao Topo