Petróleo

EUA indica que preocupações com a compra de petróleo venezuelano na Índia foram abordadas

 O assessor de segurança nacional dos EUA, John Bolton, indicou que suas preocupações em relação à Índia continuar comprando petróleo da Venezuela foram resolvidas. 
A questão foi discutida durante uma conversa telefônica entre Bolton e seu colega indiano Ajit Doval sobre o ataque terrorista em Jammu e Caxemira. No início desta semana, Bolton disse que os países “não serão esquecidos” por comprar petróleo da Venezuela.

“Nações e empresas que apóiam o roubo de recursos venezuelanos por parte do presidente Nicolas Maduro não serão esquecidas”, ele disse em um tweet que mostra uma notícia sobre o ministro venezuelano do Petróleo, Manuel Quevedo, visitando a Índia para vender mais petróleo. 

“Os EUA continuarão a usar todos os seus poderes para preservar os bens do povo venezuelano e nós encorajamos todas as nações a fazer o mesmo”, disse Bolton em um tweet na sexta-feira. 

Respondendo a uma pergunta sobre seu tweet e as conseqüências que países como a Índia poderiam enfrentar por continuar a comprar petróleo da Venezuela, Bolton indicou que a questão já poderia ter sido resolvida.

“Eu não acho que seja uma questão sobre quais seriam as conseqüências porque eles (países como a Índia) podem tomar medidas que cortam essas compras do petróleo venezuelano”, disse ele. 

“Gostaria apenas de observar que hoje a Trafigura , uma das duas maiores preocupações comerciais do mundo privado que negocia muito com a Venezuela, anunciou que não vai mais negociar na Venezuela o petróleo mundial. E eles eram uma das empresas de comércio que vendiam para a Venezuela. “As empresas de petróleo na Índia. Isso pode ser uma indicação de que o problema está se resolvendo agora”, disse ele. 

Bolton disse que a pressão econômica e política combinada dos EUA e outros países no regime de Nicolas Maduro estava tendo um efeito.

“Isso faz com que seja muito diferente do que aconteceu nos últimos 20 anos do regime de Chavez-Maduro. Temos mais de 50 governos em todo o mundo que agora reconhecem (o líder da oposição) Juan Guaido como o presidente legítimo. Isso nunca aconteceu antes”. ele disse. 

A NSA dos EUA disse que falou com Doval duas vezes recentemente, incluindo na sexta-feira.

Voltar ao Topo