Energia

Expressão ‘taxar o sol’ é equívoco em debate sobre energia solar, diz MME

A campanha do setor de energia solar fotovoltaica que afirma que o governo quer “taxar o sol” usa um termo equivocado, segundo o secretário-adjunto de planejamento e desenvolvimento energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Hélvio Neves Guerra, que falou durante evento da Fundação FHC nesta segunda-feira.

O termo se refere às mudanças de regras na geração distribuída de energia, em discussão na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A ideia da agência é reduzir os subsídios a esses geradores, que recaem sobre a tarifa de energia da população em geral.

“Se usou equivocadamente a expressão ‘taxar o sol’. Houve erro de comunicação, mas [a mudança] está em avanço e é extremamente relevante que aconteça. Temos desenvolvimento de tecnologia relevante para que isso aconteça”, afirmou Guerra.

A indústria solar, principal fonte da geração distribuída, reclama que o fim dos subsídios vai prejudicar o setor e lançou uma campanha agressiva contra a medida, que já levou até mesmo o presidente Jair Bolsonaro a criticar a iniciativa da Aneel.

Especialistas do setor afirmam que o setor já está suficientemente maduro para deixar de ter os benefícios. O argumento é que a população que paga a conta de luz é quem acaba subsidiando aqueles que têm recursos para instalar, por exemplo, placas solares no telhado de suas casas ou empresas.

Voltar ao Topo