Óleo e Gás

Exxon avalia fusões e aquisições de petróleo como prolongada mudança de energia limpa

O CEO da Exxon , Darren Woods, está de olho nos acordos de petróleo e gás natural, apesar dos apelos para reduzir as emissões, dizendo que qualquer mudança no fornecimento de energia do mundo levará décadas.

“As transições de energia levam muito tempo”, disse Woods na quarta-feira na Conferência de Energia e Energia do Barclays, em Nova York. “Enquanto isso, a crescente demanda mundial por energia deve ser atendida.”

A Exxon vê a demanda de petróleo crescendo 0,6% ao ano a longo prazo e a demanda por gás natural aumentando 1,3% ao ano, mesmo quando os formuladores de políticas buscam maneiras de afastar os países dos combustíveis fósseis. Isso significa que novos investimentos significativos, incluindo aquisições, serão necessários, disse Woods, embora os acionistas estejam pedindo que a Big Oil reduza os gastos e devolva mais dinheiro aos acionistas.

Mais consolidação está próxima de perfuradoras independentes de xisto, e a Exxon estará atenta a possíveis alvos de aquisição, disse ele.

“Se houver a oportunidade de adquirir algo que agregue valor exclusivo à Exxon Mobil, estaremos em condições de negociar isso”, disse Woods.

Na Bacia do Permiano, no oeste do Texas e no Novo México, onde os preços das ações dos frackers caíram no ano passado, a Exxon está de olho nos negócios, disse Woods. “Espero que a consolidação ocorra por algum período de tempo.”

Enquanto sua maior rival nos EUA, a Chevron Corp., fez uma tentativa frustrada de comprar a Anadarko Petroleum Corp. no início deste ano – eventualmente perdendo para uma oferta de US $ 38 bilhões da Occidental Petroleum Corp. – A Exxon permaneceu à margem. Essa abordagem de esperar para ver ocorre quando os frackers lutam com o desempenho decepcionante do poço e a queima incansável de caixa.

“Neste momento, há algum tempo”, disse Woods. “Acho que as pessoas precisam recalibrar o que estão experimentando naquele espaço não convencional e isso terá um impacto na forma como as pessoas valorizam as empresas”.

A Chevron será “oportunista” ao fazer aquisições, disse Jeff Gustavson, chefe da Chevron na América do Norte, na mesma conferência. Qualquer acordo teria que ser um ajuste estratégico e ter um bom valor, disse ele sem nomear nenhum alvo.

Mas não é apenas o Permiano que interessa aos maiores. Embora a Exxon esteja investindo pesadamente em megaprojetos, incluindo perfuração de petróleo em águas profundas na Guiana e produção de gás natural liquefeito na Papua Nova Guiné, a empresa “manterá a capacidade de uma aquisição considerável”, disse Woods.

Ele procurará acordos na parte inferior do ciclo de preços, disse ele. “É aí que veremos oportunidades de valor”.

Voltar ao Topo