Embarcação

ExxonMobil tem mais área no Brasil do que qualquer outra empresa

Em setembro de 2017, a ExxonMobil tinha interesse em apenas dois blocos offshore no Brasil, totalizando pouco mais de 161.000 acres líquidos.

Avanço rápido um ano depois: a empresa agora tem interesse em 26 blocos de águas profundas em cinco bacias, cobrindo uma área quase do tamanho do estado americano de Nova Jersey.

De fato, com mais de 2 milhões de acres líquidos, a ExxonMobil agora detém mais área de exploração líquida no exterior do que qualquer outra empresa internacional.

Isso também é o mesmo para a vizinha Guiana, onde a empresa é operadora no Bloco Stabroek, de 6,6 milhões de acres.

O que mudou com o Brasil?

Por um lado, as reformas regulatórias adotadas recentemente estão incentivando o investimento. Mas igualmente importante é que o Brasil possui alguns dos mais prolíficos reservatórios de hidrocarbonetos do mundo – tanto em termos de escala quanto de qualidade. Isso é particularmente verdadeiro no caso das bacias brasileiras do pré-sal, que consistem em formações geológicas a milhares de metros abaixo do fundo do mar. 

Eles são chamados de pré-sal por causa dos reservatórios de alta qualidade contendo recursos de petróleo significativos que foram depositados antes das espessas camadas de sal. Um dos melhores exemplos é o campo de Carcara, localizado a cerca de 200 milhas da costa do Rio de Janeiro. Carcará é um recurso descoberto no pré-sal que, segundo estimativas, comporta mais de 2 bilhões de barris recuperáveis ​​de petróleo de alta qualidade.

As bacias do pré-sal do Brasil verificam todas as caixas – altas taxas de sucesso de poços exploratórios, grandes volumes de recursos, altas taxas de recuperação e muitas outras características geológicas e econômicas que não são vistas juntas – tornando-as oportunidades de alta qualidade que aumentam o portfólio global da ExxonMobil.

À medida que o ano 2019 se desencadeia, a ExxonMobil está mapeando seus blocos de exploração adquiridos usando a tecnologia sísmica 3D. Além disso, a ExxonMobil espera começar a perfuração de exploração nos blocos que opera até 2020 e, eventualmente, espera realizar o potencial de valor total dessas oportunidades de classe mundial.

Voltar ao Topo