Offshore

Francesa CGG vai vender toda sua frota até 2021

O grupo sísmico francês CGG pretende abandonar sua frota de cinco navios de pesquisa de alto nível nos próximos anos, sob uma mudança planejada para um modelo de negócios de ativos leves, divulgado na quarta-feira.

O empreiteiro com sede em Paris apresentou um “mapa estratégico” que envolve o corte de sua frota existente para três navios até o próximo ano e a contratação de um parceiro estratégico para operar a frota, com o objetivo de sair das operações da embarcação até 2021.

Além disso, a CGG encerrará as operações sísmicas terrestres no próximo ano e comercializará para venda seu negócio multifísico, pois drenará drasticamente suas atividades de aquisição com o objetivo de obter uma economia de US $ 40 milhões nos próximos três anos.

Ele segue a uma queda no mercado sísmico devido aos cortes nos gastos com exploração nos últimos quatro anos que reduziram as margens de lucro dos jogadores.

Em vez disso, a CGG desenvolverá um negócio principal nas três áreas de geociências, dados de múltiplos clientes e equipamentos terrestres, onde está obtendo retornos mais altos.

Apresentando os resultados do terceiro trimestre da empresa, a presidente-executiva Sophie Zurquiyah disse: “A aquisição continua a sofrer com os baixos preços em um mercado comoditizado”.

A CGG conseguiu reduzir seu prejuízo líquido trimestral para – US $ 1,5 milhão de – US $ 124,4 milhões um ano antes, com uma receita maior de US $ 439,1 milhões, contra US $ 320,1 milhões no mesmo período de 2017.

Ele também reverteu um prejuízo operacional de US $ 60,4 milhões no ano anterior para registrar um lucro de US $ 45,1 milhões, ao mesmo tempo em que reduziu a dívida líquida de US $ 2,57 bilhões para US $ 769 milhões ao longo do ano.

Voltar ao Topo