Energia

Galp Energia eleva investimentos e aposta em negócios renováveis

Galp Energia eleva investimentos e aposta em negócios renováveis

A Galp Energia de Portugal destinou entre 1 bilhão de euros (1,11 bilhão de dólares) e 1,2 bilhão de euros em investimentos anuais até 2022, um aumento de até 1 bilhão em um plano anterior, buscando expandir seus negócios de gás natural e energia renovável.

O executivo-chefe da companhia de petróleo, Carlos Nuno Gomes da Silva, disse na terça-feira que investirá de 10 a 15% do total em novas energias renováveis, a maioria delas para aproveitar a energia solar, embora não descarte a energia eólica e outras tecnologias.

“Mas claramente, nosso foco principal será a energia solar fotovoltaica, onde já estamos desenvolvendo um conjunto de projetos internos que desempenharão um papel importante na cobertura e na complementação de nossos negócios de energia … E estamos falando principalmente de projetos greenfield”, ele disse em uma teleconferência.

A empresa disse que mais de 40% de seu investimento a longo prazo visava uma transição para uma energia mais ecológica, ou seja, projetos que envolvem a produção de gás natural, que queima mais limpo que o petróleo, além de energia renovável.

A Galp espera que seu grande projeto de produção e liquefação de gás em Moçambique e o projeto Carcara no Brasil consumam a maior parte desse investimento.

“Carcara é o novo garoto da cidade que nos envolverá e trabalhará ativamente nos próximos anos”, disse o CEO.

A Galp disse que, se surgirem oportunidades de aquisição que excederão o limite de investimento de 1,2 bilhão de euros, poderá alienar sua participação em alguns projetos para aumentar o capital.

O investimento da Galp na exploração e produção de petróleo e gás continuará focado no desenvolvimento de vários projetos de classe mundial, como as áreas do sub-sal na costa brasileira.

A Galp, que é principalmente uma refinaria de petróleo, tem participações em vários grandes campos de petróleo na costa do Brasil e vem aumentando sua produção de petróleo e gás, que agora chega a quase 140.000 barris por dia.

Também registrou uma queda acentuada no lucro líquido do terceiro trimestre, para 212 milhões de euros, ante 131 milhões de euros no ano anterior, devido a um declínio nas margens de refino, mesmo com a produção de petróleo subindo mais de 20%. Esperava que a produção no quarto trimestre continuasse aumentando à medida que várias plataformas aumentassem a produção.

Voltar ao Topo