Biocombustíveis

Gasolina cada vez mais cara, já passa de R$ 5

O litro da gasolina comum já é vendido acima dos R$ 5 em Belo Horizonte. De acordo com levantamento feito pelo site Mercado Mineiro entre 15 e 17 de janeiro em 129 postos da capital e região metropolitana, o menor preço encontrado do combustível foi R$ 4,539 e o maior, R$ 5,099. Em um ano, o aumento foi de 5,52%.
Além da gasolina, os preços do diesel e do etanol subiram acima da inflação nos últimos 12 meses. Em um ano, a alta média do etanol chegou a 11,58% e a do diesel, 11,91%. No mesmo período, a inflação calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a ‘inflação oficial’ do país, ficou em 4,31%.
O preço cobrado ao consumidor sobe na semana em que a Petrobras anunciou a redução de 3% na gasolina e no diesel nas refinarias. A queda foi puxada pela redução do preço do petróleo no mercado internacional, com o recuo das tensões entre os Estados Unidos e o Irã. “O consumidor não sentiu nem cheiro dessa redução”, destaca o coordenador do site Mercado Mineiro, Feliciano Abreu.
Ele ressalta que a alta do diesel, em especial, é preocupante, já que afeta diretamente os caminhoneiros, categoria com forte poder de pressionar o governo com a ameaça de uma nova greve.
“Encarecer o transporte afeta o custo de vida”, disse. “E, em plena entressafra, nem o etanol alivia”, destacou o coordenador. Apesar da alta, segundo Feliciano, ainda vale a pena abastecer com o combustível, em vez da gasolina. “O etanol vale a pena quando custa até 70% da gasolina e, atualmente, está em 69%”, lembra.
 
VARIAÇÃO 
De acordo com a pesquisa, o menor preço médio da gasolina (R$ 4,653) foi encontrado na Região de Venda Nova, enquanto o maior está na Região Centro-Sul, onde o valor é de R$ 4,779. Em Betim, o preço médio do litro do derivado de petróleo é de R$ 4,769. Já em Contagem, chega a R$ 4,687.
No caso do etanol, o menor preço encontrado entre os postos pesquisados foi de R$ 3,087, e o maior de R$ 3,699, com uma variação de 19,83%.  O menor preço médio do álcool é encontrado na Região Leste, onde o combustível é vendido por R$ 3,221. Já o maior é encontrado na Região do Barreiro, a R$ 3,31. A pesquisa completa pode ser acessada no site Mercado Mineiro.
 
VANTAGEM 
Outra pesquisa, feita pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP), mostrou que, na semana terminada em 18 de janeiro, os preços médios do etanol eram mais vantajosos ante os da gasolina em apenas três estados: Minas Gerais, Mato Grosso e São Paulo. Foi a segunda semana consecutiva em que isso ocorreu.
Em Mato Grosso, o álcool hidratado é vendido, em média, por 65,37% do preço da gasolina; em Minas Gerais, a 68,39%; e em São Paulo a paridade ficou em 69,45%.
Na média dos postos pesquisados no país, a paridade é de 70,67% entre os preços médios de etanol e gasolina. A gasolina foi mais vantajosa no Rio Grande do Sul, com a paridade de 90,65% para o preço do etanol.
MAIS CARO 
Ainda segundo os dados da ANP, os preços médios do etanol hidratado subiram em 22 estados e no Distrito Federal na semana de 12 a 18 de janeiro. O biocombustível caiu no Amazonas, Paraíba e Roraima. Não houve comparação no Amapá, por falta de cotação.
Nos postos pesquisados pela ANP, o preço médio do etanol subiu 1,75% na semana ante a anterior, de R$ 3,185 para R$ 3,241. Em São Paulo, principal estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a alta foi 2,23% no período e a cotação média do hidratado variou de R$ 3,006 para R$ 3,073 o litro. A maior alta semanal, de 4,46%, foi em Mato Grosso, e a maior queda, de 0,32%, na Paraíba.
Na comparação mensal, os preços do etanol subiram em 23 estados e no Distrito Federal e recuaram em outras duas unidades da federação. Da mesma forma, no Amapá não foi possível fazer a comparação.  Na média brasileira, o preço do biocombustível pesquisado pela ANP acumulou alta mensal de 4,27%.
O preço mínimo registrado na semana passada para o etanol em um posto foi de R$ 2,528 o litro, em São Paulo, e o menor preço médio estadual, de R$ 3,071, foi registrado na Paraíba. O preço máximo individual, de R$ 5,099 o litro, foi registrado em um posto do Rio de Janeiro. O Rio Grande do Sul registrou o maior preço médio, de R$ 4,323 o litro. (Com agências)
Voltar ao Topo