Petróleo

Importações de petróleo da China saltam 11% em setembro

Importações de petróleo da China saltam 11% se comparado a 2018

A China importou 10,08 milhões de bpd de petróleo no mês passado, um aumento de 11% em relação ao ano, mostraram dados alfandegários citados pela S&P Global Platts. Foi a primeira vez desde abril que as importações superaram 10 milhões de barris.

Mensalmente, no entanto, as importações de setembro aumentaram modestamente 1%.

Nos primeiros nove meses do ano, as importações médias diárias de petróleo da China foram de 9,91 milhões de barris, informou a S&P Global Platts, um aumento de 9,7% em relação ao ano anterior.

As exportações, por sua vez, aumentaram, mas apenas no departamento de derivados de petróleo. As refinarias chinesas já estão produzindo mais combustíveis do que as necessidades do mercado doméstico e o aumento resultante nas exportações está deprimindo as margens das refinarias tanto em casa quanto nos países vizinhos. No entanto, as refinarias optaram por tirar o melhor proveito de suas cotas de importação e produzir todos os combustíveis que puderem sob elas.

As exportações de derivados da China aumentaram 39,6%, enquanto as importações de derivados caíram 26,5% em relação a agosto.

No início deste mês, os dados de remessa revelaram que a China havia aumentado substancialmente suas importações de petróleo a partir de transferências de navio para navio: uma tática que o Irã usa para contornar as sanções dos EUA e também um método que a Venezuela pode estar usando para colocar seu petróleo no mercado.

Em setembro, de acordo com os cálculos da Bloomberg, a China importou 910.000 toneladas de petróleo bruto de transferências de navio a navio, o que era três vezes mais que o mesmo tipo de importação em agosto.

Washington não fez vista grossa para isso. No final do mês passado, Washington anunciou sanções a vários operadores petroleiros chineses, alegando que eles haviam violado as sanções dos EUA contra o Irã e haviam enviado petróleo iraniano. A medida fez com que as taxas de envio aumentassem.

Também em setembro, a China aplicou tarifas de importação sobre o petróleo dos EUA, depois de meses de incerteza sobre se chegaria tão longe. Como resultado, os embarques de petróleo dos EUA para a China caíram naturalmente e provavelmente continuarão a cair, a menos que os dois lados concordem de alguma forma com um acordo comercial.

Voltar ao Topo