Indústria

Indústria brasileira estagnada no primeiro semestre de 2019

Segundo levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), após a queda de 2,2 por cento registrada em maio, a receita do setor aumentou 0,3 por cento em junho ante maio na série não sazonal. O uso da capacidade instalada caiu 0,7% em relação a maio.

O primeiro semestre do ano viu a estagnação da indústria brasileira , segundo levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgado ontem, 1º de agosto. A pesquisa corrobora o fraco desempenho da atividade industrial no Brasil.

“As receitas do setor caíram 1% em relação ao mesmo período de 2018, as horas trabalhadas na produção mantiveram-se estáveis, o emprego caiu 0,1%, o salário real diminuiu 1,9% e a renda real média do trabalhador diminuiu 1,8% no primeiro semestre de 2018. O uso médio de capacidade no primeiro semestre é 0,1 ponto percentual menor que o mesmo período de 2018 ”, afirmou a CNI.

Os dados de junho mostram que, de todos os indicadores industriais, apenas o volume de negócios registrou uma taxa favorável; os outros recuaram. Segundo a CNI, após a queda de 2,2 por cento registrada em maio , a receita do setor aumentou 0,3 por cento em junho em relação a maio nas séries não sazonais. O uso da capacidade instalada caiu 0,7% em relação a maio.

Os salários reais pagos diminuíram 0,7%, semelhante à queda no indicador de renda média do trabalhador, que também caiu 0,7% em junho em relação a maio nas séries não sazonais. A queda de junho na folha de pagamento real reverteu o crescimento registrado nos dois meses anteriores e é 0,8% menor do que em junho do ano passado.

O número de horas trabalhadas na produção caiu ligeiramente em 0,1 por cento em junho em relação a maio nas séries não sazonais. A pesquisa também mostra que o emprego permaneceu estável em junho. Os dados mostram que, nos últimos doze meses, o indicador de emprego ficou estável por sete meses, caindo quatro meses e crescendo apenas um.

“A indústria terminou o semestre sem progresso em termos de atividade e emprego. É claro que, além das medidas estruturais de longo prazo exigidas para um novo ciclo de crescimento, as medidas de curto prazo para impulsionar a economia também são urgentes e críticas. A redução de 0,5 ponto percentual na taxa Selic foi um primeiro passo crucial nessa direção. Há espaço para novas reduções. Além disso, medidas para facilitar e reduzir o custo do financiamento também seriam muito significativas ”, afirmou o economista da CNI Marcelo Azevedo.

Voltar ao Topo