Energia

IRENA infoma redução de renováveis na produção de energia

IRENA infoma redução de renováveis na produção de energia

Segundo relato da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), o uso de fontes renováveis na produção de energia pode reduzir até 3/4 das emissões de carbono na atmosfera. Ao optar por usá-las, grandes indústrias estão contribuindo para a redução da emissão de gases do efeito estufa.

Em setembro de 2015, 193 países acordaram 17 metas dos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) estabelecidas pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Dentre elas, o 9º objetivo é a modernização e reabilitação das indústrias para que se tornem modelos sustentáveis, eficientes e corretos.

Dentre as existentes, as mais conhecidas fontes de energia limpa são a éolica, solar e hidráulica. A vantagem dessas energias é que podem ser encontradas no ambiente em larga escala, além de se regenerarem de maneira natural e oferecerem menos risco que a energia nuclear. Mais que isso, o impacto gerado é menor que o provocado por combustíveis fósseis como o carvão, petróleo e gás, já que os recursos renováveis não produzem gases do efeito de estufa.

A IRENA

Agência Internacional para as Energias Renováveis (IRENA) é uma instituição criada com a finalidade de promover o uso das energias renováveis. A IRENA tem como principal missão auxiliar e apoiar países na transição para uma matriz energética sustentável, servindo como repositório e disseminador de conhecimento e boas práticas, plataforma de diálogo, e provedora de serviços, ferramentas técnicas, análises e de projetos de cooperação na área de energia renovável.

Em janeiro de 2018, o Brasil deu início ao processo de acessão à IRENA. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, o procedimento demonstra a importância que o País “devota às energias renováveis, ao combate à mudança do clima e ao desenvolvimento sustentável, bem como ao engajamento construtivo na governança internacional”. Portugal é um dos setenta e cinco países fundadores desta organização internacional.

Voltar ao Topo