Construção civil

Klabin realizará parada geral em Julho e gera centenas de empregos

Mais de seis mil serviços de manutenção devem ser executadas durante o período

A Unidade Puma da Klabin entrará em Parada Geral a partir do dia 1º de julho, para manutenções preventivas nos equipamentos, garantindo a segurança e a continuidade operacional da fábrica. Mais de seis mil ordens de manutenção serão executadas ao longo dos 16 dias.

A Parada Geral é um evento previsto na NR13 (Norma Regulamentadora) para empresas que trabalham com equipamentos chamados de vasos de pressão, como caldeiras e digestores. Para a realização das atividades dentro do prazo previsto é necessário um grande número de trabalhadores que atuam exclusivamente no setor de celulose e papel.

Para execução desses serviços dentro do prazo esperado, serão mobilizados cerca de 4,5 mil colaboradores de empresas parceiras. “Este ano serão realizadas inúmeras manutenções preventivas na unidade, visando a nossa eficiência operacional. Para isso, vamos contar com equipes especializadas que trabalharão para deixar tudo pronto na data prevista”, explica o gerente de Manutenção da Unidade Puma, Leandro de Almeida Laube.

Fale com a Klabin

Devido à parada dos equipamentos ou reinício das atividades, durante o período de manutenções a comunidade pode perceber odores ou ruídos nas proximidades da fábrica. Entretanto, a empresa reforça que nenhum desses fatores é prejudicial à saúde das pessoas ou ao meio ambiente. Em caso de dúvidas ou sugestões, a comunidade pode entrar em contato com a Klabin pelo telefone 0800 728 0607 ou pelo e-mail.

Klabin utilizará mão de obra local para obras do Projeto Puma II

Para as obras de expansão da unidade Puma da Klabin, em Ortigueira, o Projeto Puma II, a empresa deverá manter a prática de valorizar a contratação de mão de obra local. Além de estimular as contratações por meio das Agências do Trabalhador, serão oferecidos à comunidade diversos cursos de qualificação e formação, para que profissionais dos municípios da região tenham acesso aos empregos – tanto na fase de implantação da nova planta industrial de celulose e papel integrada, como também depois, na operação das áreas fabris e florestais.

O objetivo da empresa é alcançar e até melhorar o aproveitamento da mão de obra regional obtido durante o Projeto Puma I, a construção da fábrica de celulose inaugurada em 2016. Naquela época, durante as obras de construção civil, a companhia registrou, em média, um índice de 85% dos trabalhadores do Paraná, sendo 68% de Ortigueira, Telêmaco Borba e Imbaú.  Mesmo na fase de montagem eletromecânica, em que se exige mão de obra bastante especializada, esse índice de trabalhadores da região chegou a 50%.

“A captação de profissionais dos municípios dos Campos Gerais e do Estado do Paraná traz muitas vantagens para as empresas e para os trabalhadores, como a facilidade de adaptação e o fortalecimento da economia da região, sem falar no orgulho de ajudar na construção de um empreendimento deste porte”, afirma Sales Bueno, gerente de Gente & Gestão do Projeto Puma II.

Inicialmente, as vagas de trabalho disponíveis para o projeto se concentrarão em áreas de apoio como limpeza, auxiliar de refeitório, ajudante geral e serventes. Com o avanço das obras, haverá oportunidades de trabalho que requerem maior especialização, que vão desde assistentes administrativos até motoristas, eletricistas, pedreiros, pintores, mecânicos, soldadores, vigias, operadores de máquinas, entre outros.

Para trabalhar nas obras do Projeto Puma II, os interessados devem ir até a Agência do Trabalhador de seu município para verificar as vagas que serão abertas pelas empresas contratadas e subcontratadas. Na Agência, o candidato receberá toda a orientação para o preenchimento do cadastro. É importante levar documentos pessoais como carteira de trabalho, RG e CPF.

Em parceria com o SENAI, a Klabin oferecerá cursos de capacitação e qualificação para as áreas de construção civil e montagem industrial. “Serão cursos de curta duração para preparar os interessados para os ofícios de base e favorecer a oportunidade de acessar o primeiro emprego”, informa Bueno. Esses cursos estão sendo organizados e serão divulgados em breve.

A Klabin, em parceria com diversas instituições, continuamente articula iniciativas com o objetivo de capacitar trabalhadores locais. Uma delas, recentemente anunciada, é a Escola Estadual de Educação Profissional Florestal e Agrícola, que com o incentivo do Governo do Estado ofertará 300 vagas para os cursos de técnico em Operações Florestais, técnico em Manutenção de Máquinas Pesadas e técnico em Agronegócio. A previsão é que a escola entre em funcionamento no primeiro trimestre de 2020.

Voltar ao Topo