Mineração

Mais dificuldades nas empresas de mineração

Uma mistura de populismo político, preços mais altos das commodities e a expectativa de eletrificação estimularão a demanda por algumas matérias-primas, levando os governos a manterem as regras para as mineradoras que operam em seus países.

Na maioria dos casos, os governos estão buscando aumentar sua participação nos lucros, em vez de aumentar o nacionalismo de recursos, embora a Mongólia esteja tentando nacionalizar uma participação em uma mina de cobre.A resistência não é universal.

Alguns governos vêem a postura endurecida de outros países como uma chance de atrair investimentos. A Etiópia está implementando reformas pró-empresas depois que o primeiro-ministro Abiy Ahmed tomou posse no ano passado.

O QUE É DIFERENTE NESTE TEMPO?

Normalmente, os detentores de recursos aumentaram as demandas que eles fazem de empresas internacionais quando os preços das commodities sobem.

Os preços das commodities vêm aumentando desde o início deste ano, mas são relativamente baixos e ainda estão se recuperando do crash de 2015-16, quando a última onda de nacionalismo de recursos começou.

Na África, a Tanzânia, considerada um exemplo extremo, ligou os mineiros depois que o presidente John Magufuli assumiu o poder no final de 2015, prometendo garantir uma parcela maior da riqueza em recursos naturais do país.

Membros da indústria e advogados dizem que o populismo político e as mídias sociais estão impulsionando pedidos por uma fatia maior, começando com as comunidades locais em torno das minas.

Eles também dizem que o investimento da China e, em menor grau, da Rússia aumenta a alavancagem dos governos que detêm recursos.

“O crescente investimento da China em projetos de mineração ajudou a estimular o nacionalismo de recursos, dando a muitos países ricos em recursos uma alternativa aos investimentos ocidentais”, disse Henry Hall, diretor associado da empresa de consultoria Critical Resource.

Na África, a República Democrática do Congo, a Tanzânia e a Zâmbia têm buscado mais dos lucros do cobre, cobalto e ouro.

A República Democrática do Congo assinou, em junho do ano passado, regulamentações para implementar seu novo código de mineração, que elevou os royalties e os impostos.

As principais empresas de mineração, como a Glencore e a Barrick, se opuseram ao código e estão buscando negociações e formas de aumentar a pressão.A Zâmbia arrecadou royalties em janeiro e introduziu um imposto de 10% quando o preço do cobre ultrapassa US $ 7.500 por tonelada.

A Zâmbia também planeja substituir o imposto sobre valor agregado por um imposto sobre vendas não reembolsável para ajudar a reduzir a dívida pública, mas adiou a medida até julho, aguardando novas consultas.

QUAL O IMPACTO NO INVESTIMENTO?

Executivos de mineração dizem que a primeira resposta é retirar o financiamento da exploração.

Os maiores mineradores listados dizem que estão concentrando sua exploração em países com baixo risco político.Prepare-se e prepare-se para a semana seguinte com este boletim informativo sobre os insights de negócios mais importantes, entregues aos domingos.As reservas da República Democrática do Congo, no entanto, são tentadoramente ricas e incluem cobre e cobalto, necessárias para uma esperada recuperação na demanda por veículos de bateria, o que dá ao poder de barganha do governo.

Globalmente, os gastos com exploração aumentaram, mas estão muito abaixo dos picos de 2012, no auge do boom das commodities.

Os gastos foram mais altos no ano passado em países considerados amigos da mineração, como os Estados Unidos e o Equador, que está dando boas-vindas aos exploradores ocidentais em suas perspectivas de cobre, uma vez que busca diversificar do petróleo.

O QUE AS EMPRESAS PODEM PROTEGER-SE?

As empresas ameaçaram sair quando os termos de engajamento mudaram em seu detrimento, mas os governos detentores de recursos sabem que as empresas relutam em fazer isso quando investem na construção de uma mina.

Advogados e executivos de mineração dizem que as empresas se tornaram mais cuidadosas sobre onde investem em primeira instância.

À medida que a sustentabilidade disparou após o desastre da barragem do Vale no Brasil em janeiro, a necessidade de se posicionar todos os setores da sociedade aumentou.

“Um dos aspectos mais importantes para se ter uma boa compreensão é o panorama da comunidade – sem a licença social, as minas não começarão ou serão interrompidas pelo ativismo comunitário”, disse Warren Beech, sócio do escritório de advocacia Hogan Lovells. disse.

Embora o clima geral seja cauteloso, a China e a Rússia têm um apetite de risco mais alto, potencialmente fornecendo poder de negociação para os governos detentores de recursos.

“O apetite pelo risco varia, com a China e a Rússia aparentemente tendo um maior apetite pelo risco, provavelmente para apoiar sua intenção estratégica de controlar o ciclo de vida … e para desenvolver influência geopolítica”, disse ele.

Como último recurso, as mineradoras internacionais podem ameaçar a arbitragem, que os advogados dizem ser mais barata do que o seguro contra riscos políticos.

Samuel Pape, advogado de solução de controvérsias de Latham e Watkins, disse que as mineradoras podem buscar proteção legal, por exemplo, investindo em uma empresa constituída em um país que tem um tratado de investimento bilateral com a nação que detém os recursos.

“Muitas disputas podem ser resolvidas através de negociações sem a necessidade de iniciar um processo sob um tratado de investimento, embora o potencial para tal arbitragem possa fornecer uma alavancagem importante”, disse ele.

Voltar ao Topo