Marítimo

Marinha do Brasil confirma intenção de vender submarinos da classe Tupi

Marinha do Brasil confirma intenção de vender submarinos da classe Tupi

Marinha do Brasil confirma intenção de vender submarinos da classe TupiSubmarino Tapajó – S33, IKL-209/1400

A Marinha do Brasil confirma o interesse em vender seus submarinos IKL-209, da classe Tupi. As embarcações devem ser transferidas para a reserva antes de serem comercializadas com outras Marinhas interessadas.


Em nota enviada à Sputnik Brasil, a Marinha ressalta que pretende avançar nas tratativas de transferência dos submarinos para manter a capacidade logística da Armada.


“A Marinha do Brasil (MB) esclarece que há intenção em avançar tratativas e estudos sobre a possibilidade de reparos, manutenção e construção de submarinos, bem como a transferência dos submarinos IKL-209 (classe Tupi) para Marinhas que manifestarem interesse, com vistas a manter a capacidade logística da MB”, ressaltou a Força.


Questionada, a Marinha do Brasil não informou se há previsão de quando os submarinos serão colocados à venda, quanto pretende arrecadar com a transferência ou quais países já demonstraram interesse nos navios. Portais de notícias estrangeiros, no entanto, já divulgam o interesse de seus países na compra dos submarinos brasileiros. Em junho, o portal de notícias da Argentina Infobae noticiou, durante visita oficial do presidente Jair Bolsonaro a Buenos Aires, que almirantes argentinos negociavam a aquisição de até quatro IKLs. A intenção seria reativar a capacidade operacional do Comando de la Fuerza de Submarinos, prejudicada desde o desaparecimento do ARA San Juan em novembro de 2017.

 

Submarino Humaitá em construção no Complexo Naval de Itaguaí, no Rio de Janeiro

A negociação teria sido formalizada com uma declaração de intenções assinada pelos ministros da Defesa do Brasil, Fernando Azevedo e Silva, e da Argentina, Oscar Aguad. As dificuldades econômicas do país vizinho, no entanto, podem complicar o negócio.


Recentemente, a Rádio Gdansk, da Polônia, noticiou que o Ministério da Defesa do país estaria interessado na compra dos submarinos brasileiros Timbira e Tapajó, dois dos cinco da classe IKL 290/1400 pertencentes à Marinha do Brasil. De acordo com a rádio, o negócio estaria estimado entre US$ 200 e 300 milhões.


Além de Argentina e Polônia, o Peru também tem sido mencionado nas especulações sobre possíveis países interessados na aquisição dos submarinos brasileiros.


Na sexta-feira da semana passada (11), a Marinha do Brasil concluiu a última etapa de montagem do submarino Humaitá (SBR-2). Ele é o segundo da série de cinco submarinos que estão sendo construídos pela Força Naval brasileira, sendo quatro convencionais e um nuclear. O primeiro construído foi o submarino Riachuelo.


Eles fazem parte do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), em andamento desde 2008. De acordo com a Armada, o processo de integração do Humaitá começou em abril do ano passado e seu lançamento ao mar deve acontecer no segundo semestre de 2020.


Os outros submarinos convencionais brasileiros, Tonelero e Angostura, devem ficar prontos até o final de 2022.

 

Voltar ao Topo