Especial

Marinha vai contratar mão de obra terceirizada para concluir dois navios

A Marinha pretende contratar mão de obra terceirizada para finalizar dois navios-patrulha que não foram concluídos pelo Eisa e que foram transferidos para o Arsenal do Rio de Janeiro. O NPa Maracanã, que chegou a ser lançado ao mar e está mais adiantado, se encontra docado no Arsenal. A embarcação possui 54,2 metros de comprimento e deslocamento de 500 toneladas, sendo pertencente à Classe Macaé, que já possui duas unidades em operação: Macaé (P70) e o Macau (P71). Já as obras do NPa Mangaratiba, que está armazenado em área coberta, estão menos avançadas.

“Nossa intenção é contratar uma empresa de grande porte ou um estaleiro para continuar essas obra aqui no Arsenal”, revelou o diretor do AMRJ, contra-almirante José Luiz Rangel, na terça-feira (2/7), durante o 2º seminário de manutenção de navios militares, promovido pela Sociedade Brasileira da Engenharia Naval (Sobena), em parceria com a Marinha. A previsão da Marinha é que as obras para concluir as duas embarcações durem entre um ano e meio e dois anos. “Nesse período o Arsenal vai contratar muitas empresas para trabalhar diretamente nessas obras”, acrescentou Rangel. Ele ressaltou que os equipamentos desses navios-patrulha já foram comprados pela força naval.

Rangel disse que a carteira de obras atual é grande e que, apesar das dificuldades, o estaleiro vem conseguindo cumprir os prazos. Atualmente, o AMRJ tem outros dois navios docados: NPo Almirante Maximiano e o NApOc Ary Rongel, com reparos que começaram em maio e devem durar até setembro. O Arsenal do Rio de Janeiro tem em torno de 2.700 funcionários entre militares e civis. Três submarinos (Tikuna, Tamoio e Timbira) estão em fase de reparo.

O projeto ‘Fênix’ prevê a revitalização de três fragatas (Liberal, União e Independência), com investimentos para modernizar armamento e reparos principalmente na parte de propulsão. A Marinha também prepara a docagem do porta-helicóptero multipropósito Atlântico, visando reparos estruturais que devem durar entre um ano e um ano e meio. Também na fila está a corveta Barros, outra obra de maior porte, prevista para começar em junho 2020 e durar dois anos.

Carteira atual do AMRJ
Fragata Defensora (previsão de conclusão em abril de 2020) – PMG*
Fragata Rademaker (previsão de conclusão em julho de 2019) – PDE**
Fragata Greenhalgh (reparos de 2º escalão)
NDCC Mattoso Maia (reparos de 2º escalão)
PHM Atlântico (reparos de 2º escalão)

NPo Almirante Maximiano (PMG 2019)
NApOc Ary Rongel (Período de docagem de rotina 2019)
Reparos de 2 de maio a 30 de setembro de 2019

Submarino Tikuna (maio de 2016 a julho de 2021) – PMG
Submarino Tamoio (julho de 2016 a novembro de 2021) – PMG
Submarino Timbira (abril a julho de 2019) – PDE

Carteira futura do AMRJ
Fragata Independência (PME UNIFIL*** – julho a setembro de 2019)
Fragatas Liberal, União e Independência (PME – fevereiro de 2020 a novembro de 2021) – Projeto Fênix
PHM Atlântico – Reparos diversos de grande porte
Corveta Barroso (PMG – junho de 2020 a junho de 2022)
Submarino Tupi (Período de manutenção atracado – julho de 2019 a agosto de 2019)

* Período de Manutenção Geral (PMG)
** Período de Manutenção Extraordinária (PME)
*** Força Interina das Nações Unidas (ONU) no Líbano (Unifil

Fonte: Revista Portos e Navios

Voltar ao Topo