Mineração

Minério de ferro puxou o choque da oferta brasileira

Os preços do minério de ferro parecem cada vez mais pego entre a realidade otimista de menor oferta do Brasil e a possibilidade de baixa demanda se o presidente Donald Trump realizar sua ameaça de aumentar sua guerra tarifária contra a China.

A ação dos preços na esteira da ameaça do Twitter de Trump no domingo de aumentar as tarifas de US $ 200 bilhões das importações da China para 25% foi indicativa do dilema do minério de ferro.

Em conjunto, a queda dos dois maiores exportadores mundiais de minério de ferro nos primeiros quatro meses de 2019 é de 35,7 milhões de toneladas, um impacto significativo na oferta global.

Os futuros de minério de ferro da Dalian Commodity Exchange, o mercado mais líquido para o ingrediente siderúrgico, caíram no início do pregão, com os investidores se queixando de que as negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China tivessem sido descarriladas.

Eles caíram 1,9 por cento para uma baixa intraday de 622,5 yuans (US $ 91,95) a tonelada, mas depois passaram boa parte do restante do pregão recuperando o terreno para apenas um pouco mais fraco em 633,5 yuans, uma queda de apenas 1 yuans em relação ao fechamento anterior .

A reviravolta foi provavelmente porque os investidores começaram a se concentrar em outra questão para o minério de ferro – a perda de cargas do Brasil, o segundo maior exportador mundial depois da Austrália.

O Brasil embarcou 18,34 milhões de toneladas de minério de ferro em abril, uma queda de 17% em relação ao mês anterior e 29% a mais que no mesmo mês do ano anterior, segundo dados oficiais do comércio.

A principal mineradora brasileira, a Vale, foi atingida por uma série de fechamentos de minas por razões de segurança depois que uma barragem de rejeitos explodiu em uma de suas minas no final de janeiro, matando mais de 300 pessoas e quebrando a confiança no histórico de segurança do mineiro.

Nos primeiros quatro meses de 2019, as exportações brasileiras foram de 97,2 milhões de toneladas, ante 111,9 milhões no mesmo período de 2018, segundo dados de rastreamento de embarcações e portos compilados pela Refinitiv.

Voltar ao Topo