Energia

Notícias atualizadas sobre o setor de energia

A equipe de O PETRÓLEO separou algumas notícias atualizadas sobre o setor de energia no Brasil.

Leia abaixo e fique atualizado sobre as novidades e rumos do setor.

ONS: Sistema elétrico brasileiro será modificado por conta da expansão eólica e solar

O Diretor Geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata, afirma que a matriz do setor elétrico brasileiro será fortemente modificada pela expansão da geração de energia eólica e solar.

Apesar de ter a matriz energética mais renovável do mundo, menos de 2% dos 610 TWh gerados no Brasil, por ano, são provenientes das fontes eólica e solar. O título de “matriz mais renovável do mundo” se deve à participação das fontes hidráulicas de geração, que respondem por cerca de 70% de toda a energia gerada.

Países europeus, como Alemanha e França, e asiáticos, como a China, já adotam de forma massiva o uso destas fonte de energia. Na Alemanha, por exemplo, que produz 648 TWh por ano, 20% de toda a energia gerada é proveniente das fontes eólica e solar.

Até 2020, a Alemanha quer substituir as fontes não-renováveis por fontes renováveis, que devem tomar o espaço como as principais fontes de geração de energia no país.

No Brasil, segundo Barata, a realidade deve começar a mudar nos próximos anos, para seguir as tendências internacionais do setor.

“A Itália chega a ter hoje quase 30 por cento da carga suprida por fotovoltaicas nos tetos. Isso significa dizer que você tem que aparelhar o sistema para operar durante o dia e quando o sol se põe a configuração é outra”, comentou Barata.

A mudança exigirá uma forte adaptação do NOS, já que o sistema atual é preparado para a configuração de geração das hidrelétricas e usinas térmicas.

Por exemplo, enquanto no sistema hidrelétrico a geração se concentra em algumas centenas de usinas, o que facilita a operação e controle do sistema, com usina eólicas ou solares, a produção pode ser dividida em milhares de usinas independentes, o que torna o desafio de gerenciar o sistema enorme.

A forma de cálculo do preço da energia também deverá ser repassada, já que os usuários individuais podem, por exemplo, abastecer ao sistema elétrico local, a partir de pequenas usinas solares domésticas. Deste modo, o usuário deverá ser recompensado por este “fornecimento”, o que demandará novas regras ao setor.

Barata, no entanto, afirma que o órgão está se preparando para esta nova realidade: “Entendemos que hoje o estágio de evolução do segmento exige

uma permanente inovação em tecnologia e temos colocado como palavra de ordem no ONS a inovação. Precisamos melhorar nossos procedimentos”.

A adaptação ao novo sistema irá demandar tempo, mas, ao que tudo indica, o processo ainda irá levar tempo, por conta da crise econômica brasileira e da redução dos investimentos no setor.

Demanda de energia elétrica deve crescer 2,5% em 2017

A retomada do crescimento econômico e da atividade industrial deverá elevar a demanda por energia elétrica no Brasil, em 2017, segundo o Ministério de Minas e Energia.

As informações constam no Boletim Mensal de Energia de Junho de 2017, divulgado pelo Ministério. O crescimento da demanda deverá ser de 2,5% ao longo do ano de 2017.

Segundo o documento, os indicadores de produção industrial e de usos da energia sinalizam pequena recuperação da atividade econômica.

O boletim também aponta que a tarifa média nacional de eletricidade residencial recuou 6,1%, até o mês de março. A tarifa industrial, por sua vez, caiu 7,2%, enquanto a comercial também recuou, 6,5%.

Estes fatores reforçam a expectativa de aumento da demanda por energia no ano de 2017, pois, com a tarifa mais barata, a retomada do crescimento econômico não irá esbarrar nestes custos.

Os resultados indicados pelo Boletim ainda apontam o aumento da produção de petróleo, que acumulou alta de 14,4% no mês de março, quando comparado ao mesmo período do ano passado.

A produção de aço, com alta de 12,1%, e a de biodiesel, com crescimento de 3,5%, também são destaques positivos nos resultados do Boletim Mensal de Energia do Ministério de Minas e Energia.

Governo divulgará marco regulatório do gás

Algo a muito esperado por empresários brasileiros e investidores brasileiros, o marco regulatório do gás deve ser divulgado em breve.

A informação foi passado pelo Secretário de Desenvolvimento de Infraestrutura do Ministério do Planejamento, Hamilton Madureira, durante encontro com profissionais chineses e brasileiros.

A demanda por extração e importação de gás não é nova e parte tanto de empresários brasileiros, como de estrangeiros interessados em investir neste setor no Brasil.

Atualmente no Brasil, as regras para exploração de gás é de responsabilidade do estados, sendo que o governo federal possui pouca influência sobre o setor.

Porém, segundo o Secretário, o governo federal se aproxima de um “ponto de equilíbrio” que permitirá a definição de regras atualizadas para a exploração de petróleo e gás, em todo o Brasil.

Existe a expectativa de especialista no setor de que reservas de gás sejam leiloadas junto à reservas de petróleo que serão leiloadas em setembro deste

Voltar ao Topo