Petróleo

O petróleo exige crescimento lento a partir de 2020

O crescimento da demanda de petróleo deverá diminuir significativamente a partir do próximo ano.

Isso é de acordo com o Caso de Referência da Perspectiva Energética Global 2019 da McKinsey Energy Insights (MEI), que foi lançado na terça-feira.

A demanda global por petróleo cresceu mais de um por cento ao ano nas últimas três décadas, de acordo com o novo relatório. Este crescimento deverá cair para 0,7% ao ano de 2020 a 2030, no entanto, o Caso de Referência destaca, antes de cair para -0,2% ao ano de 2030 a 2040 e -0,6% ao ano de 2040 a 2050.

A MEI projeta um pico na demanda global de petróleo em 2033, em 108 milhões de barris por dia, no seu caso de referência. O pico do relatório de 2019 da MEI é projetado quatro anos antes do relatório MEI do ano passado.

De acordo com o Caso de Referência da MEI, o setor de produtos químicos responde por mais da metade do crescimento da demanda de petróleo nos próximos 15 anos, com os maiores declínios na demanda ocorrendo em energia e transporte rodoviário.

“O setor de produtos químicos é o principal impulsionador do crescimento da demanda de petróleo, mas deverá desacelerar após 2030, impulsionado pelo crescimento mais lento da demanda por plásticos e pelo aumento da reciclagem de plástico”, afirma o relatório.

“As vendas globais anuais de veículos elétricos deverão ultrapassar 100 milhões até 2035, provocando uma queda na demanda de petróleo por transporte rodoviário”, acrescenta o relatório.

De acordo com as atuais perspectivas de longo prazo da Rystad Energy , a demanda por petróleo crescerá de forma constante na década de 2020 e atingirá o pico no final da década de 2030.

“Em nossas perspectivas de longo prazo, vemos atualmente a demanda por petróleo crescendo continuamente na década de 2020 e atingindo o pico no final da década de 2030, à medida que incorporamos mudanças tecnológicas moderadas e ganhos de eficiência acelerados que achatarão a demanda de transporte rodoviário e o crescimento da demanda de matérias primas petroquímicas em 2040.

Voltar ao Topo