Petróleo

OPEP: É de onde virá a maior parte do petróleo em 2020

A oferta de petróleo não-OPEP aumentará em 2,4 milhões de bpd no próximo ano, disse a Opep em seu último Relatório Mensal do Mercado de Petróleo.

O cartel acrescentou que o aumento seria impulsionado pelo acréscimo de novas capacidades de oleodutos na América do Norte, o que provavelmente significa que os Estados Unidos continuarão com os problemas do oleoduto do Canadá e o México se esforçará para reverter o declínio da produção. De fato, a OPEP mencionou que o declínio natural da produção no México compensaria um pouco o efeito do aumento da oferta não-OPEP.

Não são apenas os EUA que expandirão a produção, no entanto. Novos projetos na Noruega, Brasil e Austrália também contribuirão para o aumento da oferta não-OPEP.

No entanto, a OPEP revisou para baixo suas projeções de crescimento de oferta não-OPEP para este ano: ele vê um crescimento de 2,05 milhões de bpd, uma queda de 95.000 bpd em relação à sua previsão mensal anterior. Isso levaria a oferta total não-OPEP a uma média diária de 64,43 milhões de bpd.

Na demanda, a Opep espera que a taxa diária de crescimento de 2020 permaneça inalterada em relação a este ano, de 1,4 milhão de bpd. Os países não pertencentes à OCDE responderão pela maior parte, com 1,05 milhão de bpd, enquanto os países da OCDE contribuirão com cerca de 900 mil bpd para o crescimento da demanda global.

Surpreendentemente, a China não será o maior impulsionador da nova demanda por petróleo. Isso, segundo a OPEP, será o restante da Ásia, com a demanda de petróleo da China crescendo em um ritmo mais fraco do que durante este ano.

O crescimento da demanda por petróleo da Opep está sendo desacelerado no ano que vem: a Opep previu que o total ficaria em média 29,3 milhões de bpd em 2020, queda de 1,3 milhão de bpd em relação a este ano. A taxa diária de declínio da demanda é de 100.000 bpd mais do que os cortes da OPEP concordaram em com os seus parceiros não-OPEP em dezembro do ano passado e sugere o negócio pode ter que ser estendido além do final de Março de 2020, que a OPEP e os seus parceiros concordaram em no início deste mês.

Voltar ao Topo