Notícias

Os 20 maiores lucros e prejuízos do terceiro trimestre de 2019

As empresas brasileiras ficaram mais ricas. O lucro das empresas brasileiras de capital aberto cresceu 10,6% no terceiro trimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com levantamento feito pela consultoria Economática.

O lucro consolidado das 309 empresas brasileiras de capital aberto no trimestre foi de 59,7 bilhões de reais, ante 54 bilhões de reais no mesmo período de 2018, alta de 5,72 bilhões de reais. A empresa de telecomunicação Oi não fez parte do levantamento, pois não entregou o seu demonstrativo financeiro até a data do levantamento.

Os bancos fazem parte do setor mais lucrativo. As 24 instituições, juntas, registraram 21,67 bilhões de reais no trimestre, alta de 14,1%. O valor é quase o dobro da soma do segundo setor, de petróleo e gás, que lucrou 11,94 bilhões de reais no trimestre, com nove empresas, de acordo com os dados da Economática.

Mesmo com a pressão da concorrência maior das fintechs, os grandes bancos continuam vendo seus lucros crescerem. Seus ganhos vieram principalmente da maior oferta de crédito no varejo, para famílias e pequenas empresas. Apesar do maior apetite para emprestar, os calotes permaneceram sob controle.

Outra boa notícia para essas instituições foi a retomada do crescimento das carteiras de grandes empresas após um bom tempo de retração. No Itaú, a carteira de crédito corporativo teve a primeira expansão em mais de três anos, impulsionada por operações no mercado de capitais.

Gigantes como o Itaú e o Bradesco anunciaram, nas últimas semanas, o fechamento de centenas de agências bancárias para compensar pelo avanço dos serviços digitais.

A empresa com o maior lucro do trimestre, porém, não foi um banco. A Petrobras reportou ganhos de 9,1 bilhões no trimestre, cerca de 2,44 bilhões a mais em comparação com o ano passado.

No trimestre, a companhia bateu recordes de produção de óleo. Isso ajudou a impulsionar as exportações de óleo, gasolina e derivados. As vendas de diesel no mercado interno cresceram, devido ao período da safra de grãos no Brasil. Além disso, a companhia vendeu mais gás natural e geração de energia elétrica, ambos influenciados pela piora das condições hidrológicas.

Já o setor de papel e celulose foi o que apresentou o maior prejuízo, de 3,31 bilhões de reais, com quatro empresas. O resultado refletiu principalmente as perdas da Suzano, maior produtora do mundo de celulose de eucalipto, que apresentou o pior resultado do período.

O balanço foi prejudicado pela desvalorização do preço da celulose e pelas vendas e produção menores. O câmbio também prejudicou a companhia, já que a empresa tomou empréstimos para financiar sua fusão com a Fibria.

Veja abaixo os 20 maiores lucros e prejuízos do trimestre e os resultados por setor.

Voltar ao Topo