Notícias

Petrobras cancela contrato de R$ 872 milhões com a McLaren

Em meio a um documento sobre as ações nos nove primeiros meses do governo Jair Bolsonaro, o Ministério da Economia informou que a Petrobras cancelou o contrato de patrocínio da estatal com a equipe McLaren na Fórmula 1. O valor do contrato era de 163 milhões de libras esterlinas (R$ 872,5 milhões). O documento, elaborado pela equipe do secretário de Política Econômica (SPE), Adolfo Sachisida, classifica o contrato como “injustificável”.

O acordo foi assinado quando a Petrobras era comandada por Pedro Parente, durante o governo Michel Temer. Em fevereiro deste ano, a Petrobras havia informado que estava revendo a sua política de patrocínios. Em maio, Bolsonaro anunciou no Twitter que estava buscando uma maneira de rescindir o contrato de publicidade com a equipe britânica, válido por cinco anos.

A informação sobre o contrato da McLaren foi incluída em trecho do documento sobre energia barata para uma economia competitiva.

No texto, o destaque foi feito ao processo acelerado de desinvestimento que vem sendo realizado pela Petrobras desde a posse do governo Bolsonaro: 64 campos de petróleo foram vendidos; oito outras empresas subsidiárias foram privatizadas, entre elas a gigante BR Distribuidora e a refinaria de Pasadena. A Petrobras informou ao Estado que não iria se pronunciar sobre o acordo com a McLaren.

A Petrobras tem diminuído o investimento em patrocínio ao esporte neste ano. A decisão foi tomada a partir da chegada de Roberto Castello Branco à presidência da estatal. Com isso, alguns projetos estão perdendo o apoio ou as suas verbas foram diminuídas.

A Petrobras não é a única estatal que está revisando seus gastos no esporte. Recentemente, os contratos dos Correios com algumas confederações esportivas nacionais, como a de esportes aquáticos, rúgbi, tênis e handebol, terminaram ou se encerram nos próximos dias e não houve sinalização para renovação.

Voltar ao Topo