Petróleo

Petrobras decide concentrar seus esforços

Com verticalização empresarial, a Petrobras visa almejar a diminuição deste estado, a partir da diversidade das companhias petrolíferas de todo o mundo.

A petrolífera conta com a parceira do governo brasileiro em um dos ativos mais cobiçados do setor – reservatórios em águas profundas do pré-sal – a petrolífera estatal foca na produção de petróleo e gás e mantém seu agressivo plano de venda de ativos para reduzir sua dívida e aumentar sua lucratividade. Ao mesmo tempo, a empresa se distancia de negócios promissores e vem aumentando o interesse de seus concorrentes globais em seus ativos, ao mesmo tempo em que abre as portas para o aumento dos investimentos estrangeiros no Brasil.

O diretor-exectivo,Roberto Castello Branco, assumiu o cargo de presidente da Petrobras em janeiro com o discurso que a empresa precisa focar em seu core business. Em dois meses, o executivo já manifestou a intenção de vender a Braskem e a Liquigás (subsidiárias da Petrochemical & Liquifies Gas), além de reduzir a participação do Estado no refino e na BR Distribuidora.

“Estrategicamente, queremos que a empresa gere valor para os acionistas, para o Brasil. Para fazer isso, precisamos melhorar substancialmente a alocação de capital, direcionando-a para os melhores usos, os ativos onde somos proprietários naturais, aqueles onde podemos extrair o máximo retorno possível, e isso é principalmente na exploração e produção de petróleo e gás “, disse ele em uma recente entrevista coletiva.

Em  2018 a Petrobras teve aumento nos preços do seu produto, fechando o mesmo ano com lucro de R $ 25,8 bilhões, primeiro resultado positivo desde 2013, antes da descoberta do esquema de corrupção investigado pela Polícia Federal e pelo Banco Central. Ministério Público – Operação Lava Jato.

“O desempenho da Petrobras no ano passado foi sem dúvida o melhor em muitos anos”, escreveu Roberto Castello Branco em uma mensagem que acompanha o balanço divulgado. Com o resultado, a empresa distribuirá R $ 7,1 bilhões (US $ 1,85 bilhão) em dividendos.

O desempenho da empresa foi impulsionado por um aumento de 50% no preço médio do petróleo, em relação ao ano anterior. Mesmo com queda de 5% na produção de petróleo e gás em 2018, a exploração e a produção aumentaram 97% no ano, para R $ 44,2 bilhões (US $ 11,55 bilhões).

O Ebitda supermaior foi de R $ 114,9 bilhões (US $ 30,02 bilhões) em 2018, um aumento de 50% em relação ao ano anterior. Pelo quarto ano consecutivo, a companhia apresentou fluxo de caixa positivo, atingindo o recorde de R $ 54,6 bilhões (US $ 14,26 bilhões). Durante as quase duas décadas que o Partido dos Trabalhadores (PT) encabeçou o governo brasileiro, o Operador Nacional passou muitos anos gastando mais do que arrecadou, o que contribuiu para o aumento maciço de sua dívida. Como principal foco de liderança da companhia nos últimos anos, a dívida líquida caiu 4% no ano, para R $ 268,8 bilhões (US $ 70,21 bilhões). O índice dívida / EBITDA, que indica a capacidade de honrar seus compromissos, foi de 2,34 vezes, contra 3,67 vezes em 2017. Em 2018, a Petrobras captou R $ 20,2 bilhões (US $ 5,27 bilhões) da venda de ativos, que foram utilizados, quase exclusivamente para saldar dívidas.

“Estamos comemorando os bons resultados de 2018, mas não podemos nos limitar à visão interna, a comparação conosco mesmo nos anos anteriores. Ampliando nosso horizonte para a indústria global do petróleo, reconhecemos humildemente que estamos muito aquém do desejável “, disse Castello Branco.

A Petrobras também projeta o pagamento de R $ 150 bilhões (US $ 39,17 bilhões) até 2023 em royalties e impostos, relacionados à extração de petróleo e gás produzidos exclusivamente nas áreas do pré-sal. O montante é equivalente ao que foi desembolsado no ano passado por todas as áreas da empresa em diferentes bacias, incluindo participações especiais.

O crescimento da produção nas áreas do pré-sal também contribuiu para aumentar o investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD & I), que saltou de R $ 1,8 bilhão (US $ 470 milhões) para R $ 2,3 bilhões (US $ 600 milhões) no ano passado. . Por lei, quanto mais a produção cresce, mais a empresa deve investir em pesquisa.

Com os recursos, a União e os governos estaduais do Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo, além dos municípios em que a extração está sendo feita, serão beneficiados. Em 2019, a Petrobras espera um grande aumento na produção de petróleo, com a instalação de duas novas unidades de armazenamento e transferência de produção flutuante (FPSO) e o aumento da produção de FPSOs instalados em 2017.

Voltar ao Topo