Petróleo

Petrobras diz que é possível mitigar impacto de naufrágio de módulos da P-71

A Petrobras constatou, após inspeção com submarino operado remotamente, o naufrágio de dois módulos de geração de energia da plataforma P-71, mas avalia alternativas de reposição dos equipamentos de forma a evitar impactos sobre o cronograma da unidade, afirmou a petroleira em comunicado nesta quarta-feira 922).

“Análises, preliminares, indicam que, ainda que ocorra a perda integral dos módulos, é possível mitigar o impacto do acidente na conclusão da obra de construção e montagem da Unidade. A Petrobras está envidando todos os esforços necessários para que não haja atraso na data prevista de entrada em operação da plataforma P-71, tampouco perda de receita para o consórcio”, afirmou a companhia.

MPF investiga naufrágio de balsa com módulos da Petrobras em São Francisco do Sul

O comunicado da estatal veio após questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em meio a notícias na imprensa sobre o naufrágio, que aconteceu na noite de sábado perto de Itajaí, em Santa Catarina.

Nos esclarecimentos à CVM, a Petrobras não comentou possíveis impactos financeiros do naufrágio e afirmou que “não reconhece” valores publicados na imprensa sobre eventuais perdas caso a P-71 não seja concluída no cronograma antes previsto.

“A companhia está mobilizando todos os recursos que tem à sua disposição para mitigar os eventuais efeitos decorrentes deste acidente e informará ao mercado caso ocorram impactos relevantes no seu Plano de Negócios e Gestão 2019-2023”, finalizou a petroleira.

Comunicado da Locar, recebido dia 22 de maio:

Nota de esclarecimento – Locar

Em relação ao incidente marítimo com os módulos da plataforma FPSO P-71 da Petrobras, a Locar Guindastes e Transportes Intermodais, empresa contratada para fornecimento da balsa, transporte dos módulos em terra (loadout) e arranjo, fixação e peação (seafasting) dos mesmos à embarcação, informa que todos os projetos, serviços e locações de seu escopo contratual foram realizados sob supervisão e aprovados por empresa certificadora.

A Locar acrescenta que sua atuação no transporte dos módulos restringia-se aos serviços de engenharia do loadout, do seafasting e da movimentação até as balsas, e que, após a conclusão e a aprovação desses serviços, a balsa foi entregue a Tranship, empresa contratada para o planejamento do reboque e sua devida realização até o Estaleiro da Jurong, em Aracruz (ES).

Voltar ao Topo