Offshore

Petrobras e parceiros adicionam produção de pré-sal no Brasil

Petrobras e parceiros adicionam produção de pré-sal no Brasil

A produção de petróleo e gás natural começou com a licença de Iara no pré-sal da Bacia de Santos em águas profundas do Brasil do navio flutuante de produção, armazenamento e descarga (FPSO) P-68 da Petroleo Brasileiro SA (Petrobras), informou Shell Brasil, parceiro do consórcio BM-S-11A Petroleo Ltda.

Em lâmina d’água de 2.280 m, o P-68 FPSO pode processar até 150.000 b / d de óleo e 6 milhões de m3 de gás. Ele poderá armazenar até 1,6 milhão de b / d de petróleo ( OGJ Online, 30 de agosto de 2010 ). Operado pela Petrobras, o P-68 possui 10 poços produtores e sete poços de injeção. A produção de petróleo será descartada por embarcações de socorro, enquanto a produção de gás será afetada pelas rotas do oleoduto do pré-sal.

O FPSO P-68 é o primeiro dos dois FPSOs já lançados e a serem instalados na licença. O segundo, o P-70, deve entrar em operação em 2020.

O casco do P-68 foi construído no estaleiro de Rio Grande, no sul do Brasil. A integração dos módulos e o comissionamento final da unidade foram realizados no estaleiro Jurong Aracruz, no sudeste do Brasil ( OGJ Online, 14 de setembro de 2017 ).

Após a P-67 no campo Lula e as P-76 e P-77 no campo de Búzios, a P-68 é a quarta unidade a entrar em operação para a Petrobras em 2019 ( OGJ Online, 1 de fevereiro de 2019 ).

O Consórcio BM-S-11A para Berbigão, Sururu e West Atapu inclui Petrobras (operadora, 42,5%), Shell (25%), Total (22,5%) e Petrogal Brasil (10%).

Voltar ao Topo