Offshore

Petrobras fretou trio de petroleiros AET por US $ 525,6 milhões

A AET, operadora de navios petroleiros, firmou um contrato de longo prazo com a empresa brasileira de petróleo Petrobras pelo afretamento de três navios-tanque que descarregarão petróleo das plataformas de petróleo e FPSOs da Petrobras.

A AET disse na quinta-feira que os charters de longo prazo seriam para três navios de transporte dinâmico (DPSTs) de classe dinâmica Suezmax.

A empresa será proprietária e operará os novos navios petroleiros Suezmax DP2 Shuttle para operações em águas internacionais brasileiras. O valor estimado do contrato é de US $ 525,6 milhões e a previsão é que a carta comece em 2022.

A AET, em dezembro de 2019, assinou contrato semelhante com a Shell, também no Brasil. A AET disse então que a Shell afretaria três navios-tanque Suezmax DP para operações em águas internacionais e brasileiras. O valor estimado do contrato para o negócio da Shell é de US $ 245 milhões e a previsão é que o contrato comece em 2022.

Embora a AET tenha dito que os contratos da Petrobras e da Shell eram para contratos de longo prazo, a empresa não anunciou a duração exata dos dois contratos.

Sobre a AET no Brasil

AET entrou no mercado brasileiro em 2010, quando ganhou um contrato de longo prazo para operar dois DP shuttle tankers (DPST) na Bacia Brasileira para a Petrobras. Em 2012, a AET incorporou a AET Brasil Serviços Marítimos no Rio de Janeiro para administrar suas atividades no Brasil.

Um ano depois, a AET Brasil iniciou as atividades de ship-to-ship (isqueamento) no litoral de Vitória, no estado do Espírito Santo, sob um contrato exclusivo. Combinada com as operações de isqueamento que a AET realiza no Uruguai desde 2011, a empresa realizou mais de 400 transferências STS na região, desde então, com a ajuda de três navios de apoio especializados em equipamentos de isqueamento (LSVs) que a empresa possui e mantém em estação. Em maio de 2018, a AET recebeu um contrato para mais quatro navios-tanque DP2 Suezmax para afretamento para a Petrobras na Bacia do Brasil.

Em agosto de 2018, a AET recebeu um contrato da Shell para afretar um novo DPST para operações no Brasil.

Voltar ao Topo