Offshore

Petrobras gastará US $ 68,8 bilhões em E & P. Planeja encomendar 7 novos FPSOs

A petrolífera brasileira Petrobras reservou US $ 84 bilhões para gastar entre 2019 e 2023. A maior parte desse valor vai para a E & P, onde a empresa planeja aumentar a produção colocando 13 FPSOs em produção, sete dos quais ainda não encomendados.

Apresentando seu plano de negócios e de gestão para o próximo período de cinco anos, a Petrobras disse que o plano assumiu um aumento médio de US $ 66 o barril em 2019, US $ 67 em 2020, US $ 72 em 2021, US $ 75 em 2020, para US $ 75 em 2023.

A empresa planeja gastar US $ 84,1 bilhões no total no período. Desse total, US $ 68,8 bilhões serão gastos em seus negócios de exploração e produção, US $ 8,2 bilhões em refino, transporte e comercialização, US $ 5,3 bilhões em gás e petroquímicos e US $ 0,4 bilhão em renováveis.

A Petrobras ressaltou que a exploração e a produção continuam sendo o motor de geração de valor mais importante da empresa, e o foco permanece no desenvolvimento da produção em águas profundas, notadamente nas áreas do pré-sal.

A empresa espera que sua produção cresça 10% no Brasil e 7% em números gerais, devido à entrada em operação de cinco novas unidades de produção em 2018 e outras três em 2019.

“Ao longo do Plano, está previsto o start-up de 13 novos sistemas. Para o período entre 2020 e 2023, a produção total de petróleo e gás natural crescerá a uma taxa média de 5% ao ano ”, disse a Petrobras.

A Petrobras compartilhou um gráfico no qual revela que das 13 unidades mencionadas, a empresa irá contratar sete novos FPSOs para serem colocados em produção entre 2021 e 2023.

Embora a empresa tenha definido seu plano de investimento, a empresa também espera continuar com parcerias e desinvestimentos, onde vê um potencial para gerar US $ 26 bilhões ao longo do período do plano.

“Essas iniciativas, combinadas com uma geração operacional de caixa estimada em US $ 114,2 bilhões, após dividendos, impostos e contingências, permitirão à Petrobras realizar seus investimentos e reduzir sua dívida, sem a necessidade de novos empréstimos líquidos no horizonte da dívida. plano ”, disse a Petrobras.(Fonte)

Voltar ao Topo