Notícias

Petrobras, petrolífera brasileira, sai do mercado de renováveis

Petrobras, petrolífera brasileira, sai do mercado de renováveis

A petrolífera estatal brasileira Petrobras vai abandonar os planos de investir em projetos de energia renovável, mas diz que vai continuar os projetos de pesquisa e desenvolvimento no campo, segundo o presidente-executivo Roberto Castello Branco.

“Se decidirmos entrar no jogo [do setor de energia renovável] queremos entrar para vencer, não vamos nos apressar sem pensar só porque outras grandes empresas de petróleo estão fazendo isso. Não queremos perder dinheiro ”, disse ele a repórteres durante uma coletiva de imprensa sobre os resultados do segundo trimestre da companhia.

“Em segundo lugar, há muito marketing e apenas algumas ações reais. Há pessoas anunciando que estão comprometidas com ‘energias melhores’ e o que você tem, mas se você olhar para as empresas européias, as que estão liderando anúncios em renováveis, as projeções para a participação das renováveis ​​em suas receitas em 2030 são de 1%, 1,5% no máximo. “

Castello Branco, economista formado na Universidade de Chicago, ex-diretor do banco central e chefe do think-tank do mercado livre IBMEC, foi indicado para administrar a Petrobras pelo presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro quando foi empossado em janeiro.

A missão principal de Castello Branco é desinvestir de atividades não relacionadas às operações de petróleo e gás upstream. A venda de ativos domésticos e internacionais, como transporte de gás e participações em campos produtivos de petróleo, arrecadou R $ 34,5 bilhões (US $ 9 bilhões) e foi uma das principais razões para o lucro líquido recorde de R $ 18 bilhões da companhia no segundo trimestre.

A decisão de Castello Branco de não investir em renováveis ​​acrescenta declarações recentes e ações do governo de Bolsonaro contra investimentos para ajudar a controlar o aquecimento global – e segue a demissão do chefe do instituto de pesquisas espaciais (INPE) após o próprio Bolsonaro afirmar que o relatório do INPE no desmatamento da floresta amazônica era uma mentira.

Mas, para a Petrobras, o apoio à energia renovável ocorre quando a empresa lidera a estréia no mercado marítimo brasileiro, com o desenvolvimento de um programa piloto de 5 MW no nordeste do Brasil.

A Petrobras também assinou recentemente o Memorando de Entendimentos (MOUs) com a Equinor e a Total para desenvolver projetos em energia eólica offshore e onshore, assim como outras oportunidades de fontes renováveis.

Embora Castello Branco afirme que esses MOUs continuariam e os eliminou como “principalmente pesquisa e desenvolvimento”, o acordo assinado em dezembro entre a Total e a Petrobras foi para o desenvolvimento conjunto de 500MW de energia eólica onshore e PV.

“É proibido perder dinheiro”, disse Castello Branco, indicando que a venda dos ativos de midstream e downstream continuará e lançando dúvidas sobre a rentabilidade dos investimentos em energia renovável pelas grandes companhias de petróleo.

Após sete meses como CEO, Castello Branco revisou o capex da empresa em 2019, de R $ 16 bilhões para R $ 11 bilhões. Dos US $ 4,9 bilhões investidos até agora este ano, 83% foram em atividades de produção e apenas 3% em “outras atividades”, que incluem energia e renováveis.

Mas o plano estratégico de longo prazo de US $ 84 bilhões da empresa para o período 2019-23 ainda não foi revisado. Na versão atual do plano, também anunciado em dezembro, a empresa destinou US $ 417 milhões para investimentos em energia renovável.

A Petrobras tem participação na geração de energia, com 9,6GW de capacidade principalmente de combustível fóssil e gás natural, mas também tem 104MW de capacidade de energia eólica operacional, uma usina fotovoltaica experimental de 1MW e interesse em biocombustíveis.

Enquanto isso, BP, Equinor e Total continuam investindo em ativos eólicos solares e onshore no Brasil.

O plano total de desinvestimento da Petrobras é estimado em US $ 15 bilhões, dos quais US $ 13 bilhões devem ser concluídos este ano.

Voltar ao Topo