Óleo e Gás

Petrobras tem como alvo as refinarias privadas da China

A petrolífera estatal brasileira Petroleo Brasileiro SA está despachando petróleo em junho e julho para armazenamento na China para responder mais rapidamente à demanda das refinarias independentes do país, disseram duas fontes com conhecimento do assunto.

A China é o maior importador de petróleo do mundo, impulsionado parcialmente pela demanda de seus refinadores independentes, conhecidos como bules, centrados na província oriental de Shandong. Petroleo Brasileiro, ou Petrobras, está buscando mercados para o aumento da produção de petróleo e espera expandir sua participação de mercado na China, onde o Brasil foi o quinto maior fornecedor no primeiro trimestre de 2019.

O armazenamento do petróleo permitirá que a Petrobras venda parcelas menores de petróleo aos bules, responsáveis ​​por cerca de um quinto da demanda de importação da China, e expandirá sua base de clientes para além da refinaria chinesa Sinopec, disseram as fontes.

“A idéia de armazenamento é vender pequenas parcelas e ser mais competitiva nesse mercado. O principal é ter petróleo a qualquer momento ”, disse uma das fontes, acrescentando que isso permitirá que a Petrobras reaja à pronta demanda.

A Petrobras fechou um acordo com a Qingdao Port International Co em dezembro para alugar tanques de armazenamento em sua joint venture Qingdao Shihua Crude Oil Terminal Co, que pode armazenar cerca de 2 milhões de barris de petróleo, segundo fontes e reportagens da mídia na época.

Para abastecer esses tanques, a Petrobras fretou a grande transportadora de petróleo bruto (VLCC) Maran Cleo, que deve chegar a Qingdao em Shandong em 24 de junho. O VLCC contém 2 milhões de barris de Lula, parte do qual foi vendido enquanto o restante vai entrar no armazenamento, uma das fontes disse.

O produtor tem outro VLCC que chegará entre os dias 10 e 15 de julho em Qingdao, que contém cerca de 1 milhão de barris de óleo bruto Buizos para armazenamento, acrescentou. Buizos é uma nova classe média-doce que foi exportada pela primeira vez no final do ano passado.

As fontes recusaram-se a ser nomeadas porque não estavam autorizadas a falar com a mídia. A Petrobras não respondeu a um pedido de comentário.

Qingdao Port International não foi encontrado para comentar.

Os prêmios spot do petróleo brasileiro Lula entregue à China em agosto subiu para um recorde de mais de US $ 4,50 o barril para o índice de referência global Brent, o quinto mês de ganhos, disseram várias fontes do comércio.

Os preços subiram depois que as sanções dos EUA à Venezuela levaram a uma maior demanda por petróleo bruto brasileiro nos Estados Unidos e as exportações angolanas caíram e o fornecimento de petróleo russo se estreitou na Europa.

Um executivo de bule com sede na cidade de Dongying em Shandong disse: “Compramos petróleo brasileiro muitas vezes, pois é um bom substituto para todos os tipos de petróleo angolano”.

Atualmente, a menor carga que a Petrobras pode entregar para a China é de 1 milhão de barris a bordo de um petroleiro do tamanho de Suezmax e manter o petróleo armazenado permitirá ao produtor vender cargas de 300.000 ou 500.000 barris, disseram as fontes.

“É menos estressante do que tomar um Suezmax. Mas o preço é um grande problema, já que o mercado está em backwardation e se a Petrobras precisar cobrir os custos de armazenamento, o petróleo será muito caro ”, disse um trader com um refinador chinês.

Ele estava se referindo à atual estrutura de mercado para futuros de petróleo Brent, onde os preços imediatos são mais altos do que os de data posterior, significando que a Petrobras terá que cobrar mais para compensar o declínio do valor do petróleo ao longo do tempo.

Voltar ao Topo