Petróleo

Petróleo chega a praia turística no ‘Caribe Brasileiro’

O petróleo bruto que contamina a costa nordeste do Brasil chegou à cidade de Maragogi, uma das principais praias turísticas da região, informou o prefeito na quinta-feira.

Imagens na televisão local mostraram dezenas de pessoas em Maragogi, conhecidas por suas piscinas naturais de água cristalina, escavando e varrendo a areia na tentativa de remover o lodo da costa. A região é conhecida como “Caribe Brasileiro”.

Como um caminhão da agência ambiental brasileira carregado com areia manchada de óleo, alguns voluntários, aparentemente sem supervisão das autoridades, juntaram-se ao trabalho com pequenas pás.

O regulador ambiental Ibama informou que existem pelo menos 178 locais em nove estados brasileiros que foram afetados pelo petróleo. Em termos de extensão, é o maior desastre ambiental do Brasil, de acordo com David Zee, oceanógrafo da universidade estadual do Rio de Janeiro.

A resposta do governo foi questionada por especialistas oceânicos e ONGs ambientais como o Greenpeace. Como em Maragogi, nas últimas semanas, muitos brasileiros têm trabalhado para remover o óleo das praias contaminadas sem o equipamento ou instruções adequadas das autoridades.

“Assim como com a expansão dos incêndios na Amazônia, o governo estava atrasado para responder novamente”, disse Ricardo Baitelo, coordenador do Greenpeace Brasil, à Associated Press.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, rebateu as críticas na quarta-feira e disse à imprensa local que todos os meios necessários foram adotados para a identificação e coleta do petróleo.

O Ibama não respondeu às solicitações de telefone e e-mail da Associated Press para obter informações sobre o número de pessoas e equipamentos trabalhando na operação.

A origem do petróleo continua sendo um mistério. Salles disse que provavelmente se originou na Venezuela – que o governo da Venezuela nega – e que as circunstâncias do vazamento são desconhecidas.

A hipótese principal das autoridades é que o petróleo vazou para a água de um barco que navegava perto da costa brasileira.

Trabalhadores do Ibama, empresa estatal de petróleo Petrobras e outros voluntários coletaram centenas de toneladas de petróleo bruto, mas as misteriosas manchas de petróleo podem continuar sendo levadas para terra.

Um mês e meio depois que o petróleo começou a aparecer na costa, Salles disse que não sabia quanto petróleo ainda estava no mar e poderia chegar ao continente nos próximos dias.

Zee expressou preocupação com a possibilidade de o derramamento de óleo avançar em direção ao sul do estado da Bahia e danificar a região de Abrolhos, que contém um dos maiores recifes de coral do país.

“Quanto mais tempo passa com o surgimento de novo óleo, confirma-se que o oceano está absorvendo cada vez mais substâncias tóxicas, algumas das quais são cancerígenas. As zonas contaminadas levarão pelo menos 25 anos para se recuperar”, disse Zee. “O Brasil não possui plano de emergência, equipamento nem pessoal treinado para intervir em uma situação de desastre como esta”.

Voltar ao Topo