Petróleo

Poderia a crise Irã-EUA escalar e levar à Terceira Guerra Mundial

Teerã pode reagir com ataques cibernéticos ou terroristas contra as forças dos EUA e Israel – provocando Donald Trump a retaliar em um ataque de tat-for-tat que pode arrastar a Arábia Saudita, Rússia, China e Turquia

  • O Irã prometeu extrair uma ‘vingança esmagadora’ contra os EUA depois que Qassem Soleimani foi morto em um ataque de drone
  • O aiatolá Khamenei está supervisionando pessoalmente a reunião do conselho de segurança em Teerã para considerar uma resposta 
  • Os alvos prováveis ​​incluirão bases americanas no Iraque e na Síria, aliados, incluindo Arábia Saudita e Israel, e petroleiros
  • Os combates podem arrastar as forças russas e turcas na Síria e aliar a China, que tem navios no Golfo de Omã

O Irã prometeu provocar uma ‘vingança esmagadora’ contra as forças americanas em retaliação pela morte do comandante Quds Qassem Soleimani – deixando o Oriente Médio à beira de um conflito que poderia rapidamente entrar em espiral na 3ª Guerra Mundial.

O Conselho de Segurança Nacional do Irã está atualmente reunido em Teerã – presidido pelo próprio aiatolá Khamenei pela primeira vez – para considerar sua resposta.

À sua disposição estão as 13 forças armadas mais poderosas do mundo, uma série de grupos de milícias espalhados pelo Oriente Médio, forças proxy como o Hezbollah do Líbano e os rebeldes houthis do Iêmen, e aliados como Bashar al-Assad, da Síria.

As metas em sua mira provavelmente incluirão tropas e bases militares dos EUA no Iraque e na Síria , forças israelenses nas colinas de Golã, navios-tanque no Estreito de Ormuz e a infraestrutura de petróleo da Arábia Saudita .

Embora os ataques iniciais provavelmente sejam limitados, eles podem anunciar uma série de eventos, com forças russas estacionadas na Síria, defendendo um importante aliado iraniano em Bashar al-Assad, e forças turcas lutando no norte do país.

A China também possui navios estacionados no Golfo de Omã e recentemente realizou operações navais conjuntas com o Irã e a Rússia , aumentando a perspectiva de que eles também pudessem se envolver.

A Arábia Saudita já está envolvida em um conflito com os rebeldes houthis apoiados pelo Irã no Iêmen, e qualquer escalada por Teerã seria recebida com uma resposta de Riad.

As tropas do homem forte turco Recep Erdogan estão posicionadas no norte da Síria e ele está perto da Rússia e do Irã, além de ser membro da OTAN – tornando suas ações imprevisíveis se um conflito se agravar pela região.

Os EUA, China, Rússia e Israel todos têm armas nucleares – com pelo menos três deles possuindo mísseis hipersônicos de última geração capazes de violar todos os sistemas de defesa.

Israel também está armado com armas nucleares e é um alvo óbvio para qualquer ataque iraniano, mas Benjamin Netanyahu e as FDI não hesitarão em se defender e atacaram recentemente as forças do Hezbollah apoiadas pelo Irã na Síria.

Se o Irã decidir bloquear o Estreito de Ormuz, como muitas vezes ameaçava no passado, uma série de potências mundiais, incluindo nações européias que dependem do petróleo que flui através da hidrovia, pode ter que defender seus interesses.

Por fim, se as trocas de tit-for-tat entre esses países aumentarem o suficiente, é concebível, mas improvável, que acabe com uma troca nuclear – e destruição em escala global.

País por país, eis como o conflito pode ocorrer:

EU CORRI 

Acredita-se que o país possua cerca de meio milhão de militares em atividade, juntamente com uma população de cerca de 82 milhões de habitantes para extrair reservas.

À disposição dos militares há um arsenal de mísseis balísticos, tanques, helicópteros de ataque, jatos rápidos e canhoneiras.

Embora seja improvável que as forças iranianas se envolvam nos combates iniciais, se a situação piorar, elas poderão ser arrastadas para uma guerra terrestre com os EUA.

No caso de as forças americanas serem enviadas para o próprio Irã, o maior patrimônio do país é a geografia: cercado por três lados por montanhas, um quarto por oceano e com um vasto deserto no centro, representa um obstáculo formidável – mesmo para os EUA. Exército.

Há uma série de ações não militares que o Irã poderia adotar dentro de suas próprias fronteiras, o que ameaçaria os EUA, incluindo a intensificação de seu programa nuclear.

O país violou os limites de estoques de urânio e vem enriquecendo para níveis acima do nível de energia desde que Trump encerrou os acordos, mas pode começar a enriquecer para níveis de nível de armas em resposta à ameaça mais recente.

Se for esse o caso, então navios de guerra, bombardeiros e mísseis de cruzeiro dos EUA poderiam ser usados ​​para derrubar as instalações, tendo preparado planos para fazer isso muitas vezes no passado.

Os ataques cibernéticos também se tornaram um método cada vez mais popular de guerra e poderiam ser usados ​​pelo Irã, pela América e por seus aliados para tentar conquistar uma vantagem inicial.

As metas provavelmente incluiriam instalações nucleares iranianas – que foram alvejadas com sucesso pelo vírus Stuxnet no passado – equipamentos de comunicação, radar, redes de energia e outras infraestruturas importantes.

Para anular a ameaça dos drones americanos, o Irã poderia usar mísseis antiaéreos para derrubá-los, como fez em junho do ano passado.

Os mísseis iranianos também poderiam ser treinados em navios de guerra dos EUA em torno da Península Arábica, incluindo o Lincoln Carrier Strike Group, mas essa seria uma opção extrema e provavelmente tomada somente após uma invasão terrestre.

A China também possui navios estacionados no Golfo de Omã e recentemente realizou exercícios conjuntos com o Irã e a Rússia, potencialmente os arrastando para qualquer conflito no mar.

IRAQUE 

Atualmente, existem cerca de 5.000 soldados norte-americanos estacionados no Iraque, com mais a caminho, todos agora alvos de milícias xiitas que lutaram pelo Irã – e em alguns casos diretamente com Soleimani – no passado.

A embaixada em Bagdá, que tem sido alvo de ataques nos últimos dias, provavelmente verá ações renovadas, enquanto patrulhas e bases militares podem ser atingidas por tropas terrestres e IEDs – a arma de Soleimani contra as forças americanas durante a invasão de 2003.

A embaixada dos EUA em Bagdá, que foi atacada por milícias pró-Irã nos últimos dias, provavelmente sofrerá um novo ataque junto com outras bases americanas e cerca de 5.000 soldados estacionados na região

A embaixada dos EUA em Bagdá, que foi atacada por milícias pró-Irã nos últimos dias, provavelmente sofrerá um novo ataque junto com outras bases americanas e cerca de 5.000 soldados estacionados na região

Manifestantes atiram fogo para fechar a embaixada dos Estados Unidos em Bagdá

Ataques com mísseis do tipo que mataram um empreiteiro militar dos EUA na semana passada, provocando a escalada que terminou na morte de Soleimani, também são prováveis.

A Força Quds, controlada por Solemani por quase duas décadas, orquestrará os ataques nos bastidores e poderá se envolver diretamente a fim de vingar a morte de seu amado líder.

No passado, foram levantadas questões sobre se as Forças Quds operam independentemente do regime de Teerã, aumentando a perspectiva de ataques, mesmo que não diretamente ordenados por Teerã.

SÍRIA 

Bashar al-Assad é um aliado próximo do Irã e deve a continuação da existência de seu regime em grande parte à intervenção pessoal de Soleimani, que o ajudou a mudar a maré da guerra civil da Síria por um ano, junto com a Rússia.

Embora Assad provavelmente não esteja envolvido em combates diretos, ele pode ser persuadido a fechar os olhos aos ataques das milícias pró-Irã contra várias centenas de tropas americanas e curdos que permanecem no país depois que Donald Trump ordenou a retirada.

O Irã também passou um tempo estabelecendo sua própria infraestrutura militar no Irã, com bases de mísseis que Israel disse anteriormente que poderiam ser usadas contra seu território.

A Rússia tem forças terrestres estacionadas na Síria defendendo um importante aliado iraniano em Bashar al-Assad, que em grande parte deve a existência continuada de seu regime a Soleimeni, que organizou suas forças durante a guerra civil do país

A Rússia tem forças terrestres estacionadas na Síria defendendo um importante aliado iraniano em Bashar al-Assad, que em grande parte deve a existência continuada de seu regime a Soleimeni, que organizou suas forças durante a guerra civil do país

Os mais recentes sistemas antiaéreos S400 da Rússia na Síria, que poderiam ser usados ​​contra jatos e bombardeiros americanos no caso de a crise se transformar em uma guerra mais ampla

Os mais recentes sistemas antiaéreos S400 da Rússia na Síria, que poderiam ser usados ​​contra jatos e bombardeiros americanos no caso de a crise se transformar em uma guerra mais ampla

Se Teerã decidir atacar o forte aliado dos EUA, o martelo provavelmente cairá na região de Golan Heights, embora Tel Aviv tenha avisado que os mísseis iranianos podem ir muito além de suas fronteiras.

Se os combates aumentarem aqui, as forças russas posicionadas em todo o país poderão rapidamente se envolver, juntamente com as forças turcas atualmente posicionadas no norte.

O ISIS provavelmente também explorará a situação para tentar colocar os lados um contra o outro, permitindo que reconquistem o território que perderam nos últimos anos.

LÍBANO 

O país é controlado pelo Hezbollah, uma força de combate iraniana que prometeu “resistência mundial” após a morte de Soleimani.

O grupo pode lançar ataques com foguetes contra alvos em Israel, bem como ataques antiaéreos contra jatos e drones israelenses que operam na região.

Se as forças iranianas dentro da Síria decidirem lançar um ataque às colinas de Golã, controladas por Israel, o Hezbollah poderá fornecer apoio.

O Irã também exerce controle sobre a Jihad Islâmica Palestina e o Hamas, os quais operam na Faixa de Gaza e podem ser usados ​​para causar mais problemas a Israel.

ARÁBIA SAUDITA 

Outro importante aliado dos EUA na região, Riyadh sofreu ataques contra sua infraestrutura de petróleo nos últimos meses, atribuídos a Teerã.

O Irã pode optar por assediar, desativar ou destruir os navios petroleiros que navegam no Golfo Pérsico, que o separam da Península Arábica, potencialmente prejudicando uma importante fonte de renda para os sauditas.

A infraestrutura petrolífera saudita deve aparecer nos planos do Irã de ataques na região, após uma grande interrupção causada por um ataque de drones e mísseis à maior refinaria de petróleo do país no ano passado (foto)

A infraestrutura petrolífera saudita deve aparecer nos planos do Irã de ataques na região, após uma grande interrupção causada por um ataque de drones e mísseis à maior refinaria de petróleo do país no ano passado (foto)

Teerã também pode tentar repetir o ataque audacioso que derrubou as instalações de petróleo do país no verão, embora a segurança tenha aumentado enormemente depois, tornando o sucesso longe de uma coisa certa.

Uma das opções mais extremas disponíveis para o Irã seria fechar completamente o Estreito de Ormuz, cortando um quinto do suprimento diário de petróleo do mundo.

Embora Teerã ameace frequentemente fechar a hidrovia, essa medida quase certamente levaria a uma resposta dos grupos de transportadores dos EUA na região, além de atrair outras potências mundiais que dependem do petróleo.

IÉMEN 

O Irã está travando uma guerra por procuração no Iêmen usando rebeldes houthis, lutando contra as forças sauditas aliadas ao regime dominante.

Os ataques contra os sauditas podem aumentar, e o Irã pode usar drones Houthi e mísseis guiados para lançar ataques contra oleodutos na Arábia Saudita e outras infraestruturas, como fez no passado.

AFEGANISTÃO 

Os EUA acabam de chegar a um acordo de cessar-fogo com o Taliban no Afeganistão, na tentativa de pôr um fim à guerra mais longa que já travaram.

Mas, como no Iraque e na Síria, o Irã tem vínculos com milícias xiitas em toda a região, o que poderia alavancar na tentativa de atrapalhar o processo e mergulhar a região em conflito, ampliando ainda mais o envolvimento dos EUA no país. 

CATAR 

O país abriga a maior base militar americana no Oriente Médio, em Al Udeid, que abriga cerca de 10.000 soldados e dezenas de caças e bombardeiros, incluindo caças F-22 e B-52.

Se uma guerra total estourar com o Irã, Al Udeid estará no centro dos esforços para estabelecer superioridade aérea e, como tal, também será um grande alvo para o Irã e seus aliados.

A base aérea de Al Udeid (foto durante a visita de Ivanka Trump) no Catar estará no centro dos esforços dos EUA para estabelecer a superioridade aérea no caso de uma guerra mais ampla. Existem dezenas de aeronaves na base, incluindo caças F-22 e bombardeiros B-52

A base aérea de Al Udeid (foto durante a visita de Ivanka Trump) no Catar estará no centro dos esforços dos EUA para estabelecer a superioridade aérea no caso de uma guerra mais ampla. Existem dezenas de aeronaves na base, incluindo caças F-22 e bombardeiros B-52

COMO PODEMOS RETORNAR

Os Estados Unidos têm uma vasta gama de equipamentos militares no Oriente Médio e no Golfo Pérsico. Entre as opções militares estão caças F22 Raptor baseados em Dubai, submarinos e porta-aviões da classe Ohio, armados com mísseis de cruzeiro, e Forças Especiais dos EUA que ainda estão no norte do Iraque e na Síria.

Ativos estratégicos, como os bombardeiros B2 Stealth, também podem atacar sobrevoando o continente americano e – no último caso – os EUA também podem usar armas nucleares disparadas de silos no continente em praticamente qualquer lugar do mundo.

COMO A RÚSSIA PODE SER ARRASTADA EM

Dezenas de milhares de tropas e aeronaves russas estão baseadas na Síria em apoio ao regime de Bashar al-Assad. Eles incluem forças especiais e o temido míssil antiaéreo S400 – o sistema de mísseis mais avançado do mundo. Se o conflito aumentar, a Rússia poderá se sentir compelida a defender seu aliado ou o Irã ou a retaliar se suas tropas forem mortas como danos colaterais pelos EUA.

 Também poderia usar ativos estratégicos baseados na Rússia, como mísseis de longo alcance e bombardeiros de longo alcance, juntamente com navios e submarinos com sede no Mediterrâneo em Sebastopol.

COMO ISRAEL PODERIA RETALIAR

Se Israel for atacado pelo Irã, certamente retaliará. Possui armas nucleares e uma série de caças avançados capazes de lançar ataques contra as forças iranianas e iranianas na Síria, como fez no passado.

Suas forças especiais também estão entre as mais temidas do mundo e estão espalhadas pela região.

Voltar ao Topo