Notícias

Polícia brasileira prende chefes da construção na sonda Petrobras

Polícia brasileira prende chefes da construção na sonda Petrobras

A polícia do Brasil prendeu os líderes das duas maiores empresas de engenharia e construção do país. Marcelo Odebrecht, chefe da Odebrecht SA, e Otavio Marques Azevedo, chefe da Andrade Gutierrez, foram presos sob custódia nas operações da manhã de sexta-feira, ligadas a um escândalo envolvendo a empresa estatal de petróleo Petrobras.

Como relata Lourdes Garcia-Navarro da NPR para o Newscast, “É realmente difícil explicar o quão onipresente a Odebrecht está no Brasil e na América Latina em geral. Eles estão por toda parte e tiveram a mão na construção de quase tudo – apenas quatro estádios da Copa do Mundo. Para as Olimpíadas, a empresa está ajudando a construa a Vila dos Atletas, uma linha de ônibus expresso e o Parque Olímpico, além de uma linha de metrô, mas isso é apenas a ponta do iceberg – eles também operam em dezenas de países ao redor do mundo, inclusive nos EUA. chefe da empresa familiar foi preso é uma grande notícia na região “.

Foi relatado que os dois executivos estavam entre uma dúzia de pessoas presas em quatro estados na sexta-feira. “Um dos principais promotores, Carlos Fernando dos Santos Limas, disse que ‘sem dúvida’ Odebrecht e Andrade Gutierrez lideraram o que ele chamou de ‘cartel’ que sobrecarregava a Petrobras pelo trabalho e repassava o excesso de recursos a executivos e políticos.

“Embora as prisões fossem um tanto esperadas, eles aumentaram a esperança entre os brasileiros de que a investigação não pouparia algumas das pessoas mais poderosas de um país onde os ricos desfrutavam de relativa impunidade.

“Nem Azevedo nem Odebrecht foram formalmente acusados ​​e não ficou claro quanto tempo eles seriam detidos. Prisões de outros altos executivos brasileiros resultaram em meses de prisão preventiva”.

O serviço de notícias diz que a investigação em curso de suposta corrupção na Petrobras levou a acusações de mais de 100 pessoas e implicou dezenas de políticos, muitos deles do Partido dos Trabalhadores da presidente Dilma Rousseff.

Dilma é ex-presidente do conselho da Petrobras. Ela não foi implicada e negou envolvimento no escândalo.

O controlador-geral do Brasil está investigando cerca de duas dúzias de empresas de construção acusadas de terem oferecido cerca de US $ 2,1 bilhões em propinas.

A Bloomberg Business informa que Odebrecht e Andrade confirmaram as detenções de sexta-feira: “A Odebrecht afirmou em comunicado enviado por e-mail que seus escritórios em São Paulo e Rio de Janeiro foram revistados e que mandados de prisão foram executados.

“Andrade Gutierrez, em comunicado por e-mail, disse que estava auxiliando na investigação policial e negou qualquer envolvimento em relação à chamada operação de lavagem de carros, referindo-se às investigações de um esquema de supostas propinas nos contratos de serviços da companhia estatal de petróleo Petrobras “.

Voltar ao Topo