Petróleo

Por que bilhões de barris de petróleo não são aproveitados no Brasil; veja seis motivos

Há petróleo suficiente, ainda não atribuído, sob o Oceano Atlântico, no Rio de Janeiro, para manter o mundo inteiro funcionando por quase seis meses. Então, por que o petróleo está apenas sentado lá? Uma disputa contratual entre a gigante petrolífera Petrobras e o governo vem se arrastando desde 2013, e até que seja resolvida, os perfuradores não podem começar a atacar esses depósitos em águas profundas.

  1. Qual é a disputa?

Dinheiro. Desenvolver uma região tão grande quanto o estado de Illinois, nos EUA, custará centenas de bilhões de dólares. Quando a Petrobras organizou uma venda de US $ 70 bilhões em 2010 para levantar dinheiro, o governo – com a intenção de manter o controle da Petrobras sem ter que gastar dinheiro – negociou os direitos de produzir até 5 bilhões de barris de sete blocos do pré-sal em troca de US $ 42,5 bilhões. , quase todos em novas ações. Ambas as partes concordaram em revisar o valor deste chamado contrato de Transferência de Direitos depois que os campos foram declarados comerciais, para levar em conta mudanças nos preços do petróleo, custos de desenvolvimento e volumes de produção de petróleo. A Petrobras e o governo vêm discutindo quem deve o quanto a quem, desde 2013, através de sucessivas administrações presidenciais.

  1. Onde as coisas estão?

À medida que os preços do petróleo recuaram após 2013, as expectativas foram transferidas da Petrobras, devido ao dinheiro, para o governo, para a empresa que deveria receber reembolso de até US $ 14 bilhões, em dinheiro ou em direitos adicionais para reservas de petróleo subdesenvolvidas. A administração do presidente Jair Bolsonaro é a terceira a lidar com as prioridades conflitantes inerentes à revisão do contrato. Um grande pagamento para a Petrobras expandiria o déficit fiscal. Ao mesmo tempo, o governo quer que a Petrobras tenha capital suficiente para investir na indústria do petróleo, um importante empregador e fonte de receita tributária. O governo Bolsonaro afirmou que a resolução do contrato é uma prioridade. Mas a nova equipe econômica precisa rever a ampla gama de estimativas que o governo anterior estava usando, e uma resolução de contrato pode precisar de aprovação do tribunal de auditoria do Brasil para evitar quaisquer desafios legais.

  1. O que significaria uma resolução para o Brasil?

A exploração inicial da Petrobras nos campos do pré-sal revelou muito mais petróleo do que o esperado – um volume estimado de 6 bilhões a 15 bilhões de “excedentes”, além dos 5 bilhões que a Petrobras tem direitos de produção. (Para fins de comparação, o mundo consome cerca de 36 bilhões de barris de petróleo em um ano.) O governo planeja realizar um leilão para levantar dezenas de bilhões de dólares – mas precisa concluir a revisão do contrato com a Petrobras primeiro. As rodadas de licitação para os campos do pré-sal fora da área de Transferência de Direitos não foram afetadas e atraíram o interesse de grandes petrolíferas internacionais, incluindo a Exxon Mobil Corp e a Royal Dutch Shell Plc.

  1. O que significaria para o resto do mundo?

A produção do pré-sal já está tornando o Brasil um dos produtores de petróleo de mais rápido crescimento que não é membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo. Isso significa que o Brasil se tornará uma dor de cabeça cada vez maior para a OPEP, ao tentar equilibrar o mercado global. O Brasil já superou o México e a Venezuela para se tornar o maior produtor de petróleo da América Latina, bombeando quase tanto quanto os membros da Opep, Kuwait e Emirados Árabes Unidos. O crescimento deverá acelerar nos próximos anos, à medida que a Petrobras e outros produtores instalarem embarcações de produção adicionais nos campos do pré-sal.

  1. O que se entende por óleo de pré-sal?

O petróleo do pré-sal foi formado quando os continentes da América do Sul e da África começaram a se separar há mais de 100 milhões de anos. A repetida inundação e evaporação de água salgada no que hoje é o Atlântico Sul criou uma camada do mineral de 2 mil metros de espessura que cobre os depósitos de petróleo. Os campos do pré-sal estão mais abaixo do fundo do mar do que os campos de petróleo legados do Brasil.

  1. Por que esses campos do pré-sal são tão atraentes?

O pré-sal brasileiro é o maior grupo de descobertas convencionais de petróleo neste século. O maior campo, o Mero (anteriormente Libra), possui cerca de 8 a 12 bilhões de barris de reservas recuperáveis. Toda a região provavelmente possui mais de 100 bilhões de barris de óleo recuperável, de acordo com um estudo acadêmico. A área de Transferência de Direitos é apenas uma seção de 3.865 quilômetros quadrados do pré-sal, e a Petrobras já está produzindo petróleo no campo de Búzios. A produção do pré-sal subiu do nada há 10 anos para mais da metade da produção total do Brasil, com 1,5 milhão de barris por dia. Embora seja caro explorar e desenvolver esses campos remotos nas profundezas do Atlântico, a produção por poço é maior do que em outras regiões de águas profundas, como o Golfo do México ou o Mar do Norte, o que os torna extremamente lucrativos.(Fonte).

Voltar ao Topo