Obras e Paradas

Porto com usinas e ferrovia vai criar 10.300 empregos

Contratações estão previstas para começar no ano que vem, para as obras de construção do Centro Portuário de São Mateus

Numa época em que ainda se fala muito em desemprego, uma notícia traz otimismo a quem está fora do mercado de trabalho ou deseja galgar novos desafios. Projetos da Petrocity Portos, no Norte do Estado, vão criar cerca de 10.300 postos de trabalho a partir do ano que vem.

A maioria das vagas será para atuar na instalação e na operação do Centro Portuário de São Mateus (CPSM) — que aguarda licença ambiental. São 2.500 empregos na obra e 3 mil na operação.

A empresa espera receber a licença prévia do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) até este mês e a licença de instalação até julho de 2020, data prevista para iniciar as obras.

Projeção da retroárea do Centro Portuário de São Mateus: empresa prevê o licenciamento para este mês (Foto: Petrocity)

Projeção da retroárea do Centro Portuário de São Mateus: empresa prevê o licenciamento para este mês (Foto: Petrocity)

Até meados de 2020, está prevista a construção de prédios comerciais, administrativos e centro de convenções, que vão integrar o complexo portuário. As obras estão vinculadas a licenças municipais, que já estão em andamento.

Além disso, a empresa espera iniciar a construção de uma usina com capacidade para 2.5 megawatts, com projeto da Badin Energia, e que vai criar cerca de 50 empregos diretos, sendo 40 na obra, e de oito a 10 na operação.

A Badin também deve iniciar a obra de instalação de duas usinas de geração de energia, sendo uma térmica a gás e outra fotovoltaica, conforme explicou o diretor da empresa, Rodrigo Badin.

“Ainda precisamos da licença ambiental, que vai nos possibilitar passar por um leilão de energia do governo federal. Mas é um projeto como nenhum outro no Brasil, e se o governo não aprovar isso, não aprova mais nada”, declarou.

Além de abastecer a Petrocity, o excedente da energia vai ser leiloado, e também distribuído a indústrias nos arredores de São Mateus. A instalação das usinas vai criar 1.100 empregos diretos, e a operação, cerca de 150 vagas.

Para interiorizar a economia capixaba, a Petrocity planeja construir uma ferrovia de 560 quilômetros, ligando São Mateus a Sete Lagoas, em Minas Gerais.

Na primeira fase, até a cidade de Ipatinga (MG), serão criados 3.500 empregos diretos, entre instalação e operação, segundo o presidente da Petrocity, José Roberto Barbosa da Silva.

Empresa vai dar cursos a jovens para atuarem no investimento

A Petrocity vai dar capacitação tecnológica a 3 mil jovens até o fim de 2020, com o objetivo de prepará-los para atuar em projetos da empresa ou mesmo em outros empreendimentos da região.

De acordo com o presidente da Petrocity, José Roberto Barbosa da Silva, duas turmas já estão sendo capacitadas, em Conceição da Barra. “Já assinamos o convênio também com São Mateus e Barra de São Francisco. Esperamos que até o fim deste mês se iniciem os cursos, com duas primeiras turmas em cada cidade. Vamos assinar agora com Sooretama, Jaguaré e Nova Venécia.”

José Roberto ressaltou que a capacitação será em tecnologia, no modo básico, intermediário e avançado. “No processo avançado, os jovens terão condições de disputar trabalho no Brasil e exterior.”

O projeto é voltado para jovens de baixa renda, com idades entre 15 e 21 anos, que tenham ensino fundamental completo e pertençam a famílias já inscritas no cadastro único de programas sociais.

Vagas também serão oferecidas a membros de famílias provenientes de comunidades tradicionais quilombolas, ribeirinhas e indígenas, além das famílias que subsistem da pesca.

Ele explicou ainda que parte do subsídio do programa PetroCity Social vem das criptomoedas criadas pela empresa e disponibilizadas no mercado a partir de janeiro.

“Até mesmo algumas de nossas ações foram lastreadas. Cerca de 1% desse valor será aplicado em um fundo voltado à capacitação dos jovens, com apoio das prefeituras.” ( Tribuna Online)

Voltar ao Topo