Óleo e Gás

Porto do Açu vai investir R$ 19 bilhões no Norte Fluminense

O Complexo do Porto do Açu, em São João da Barra (RJ), foi um dos participantes do Seminário “Desafios do Emprego no Estado do Rio de Janeiro”, realizado na Assembleia do Rio de Janeiro. O evento, que foi promovido pelo Fórum Permanente de Desenvolvimento Estratégico do Estado, discutiu o papel do desenvolvimento regional na construção de estratégias de emprego e renda. Neste encontro, o gerente de Relações Institucionais da Porto do Açu Operações, Caio Cunha, apresentou os principais números do empreendimento, e destacou o potencial de crescimento do Açu para os próximos anos:  “Nos próximos 5 anos estão previstos R$ 162 bilhões de investimentos no estado do Rio de Janeiro. Deste total, cerca de R$ 19 bilhões, que é equivalente a 12% do total, serão aplicados no norte fluminense, principalmente na região do Açu.”

Entre os investimentos em andamento no Complexo está a construção de uma termelétrica a gás natural e um terminal de regaseificação, que estão sendo desenvolvidos pela GNA (Gás Natural Açu) e começam a operar em 2021. Além destes, está prevista a construção de mais uma termelétrica a gás natural (com operação em 2023), heliporto, condomínio logístico e hotel, entre outros. O executivo também destacou a importância do poder público na condução de políticas que possam viabilizar os investimentos previstos:  “Uma política estruturada na atração de investimentos, com agências de fomento, regulação definida e clara, e suporte em infraestrutura – como rodovias e ferrovias, é essencial para que o Estado do Rio de Janeiro confirme os investimentos previstos e retome sua capacidade de geração de emprego”.

Com 130 km² de área, sendo 40 km² de reserva ambiental, o Complexo conta, hoje, com 13 empresas instaladas: Porto do Açu Operações, Açu Petróleo, BP Prumo, B-1Port (empresa do Grupo Edison Chouest), InterMoor, NOV, TechnipFMC, Wärtsilä, Ferroport, Anglo American, Dome, GNA (Gás Natural Açu) e Estação Açu.  O Porto conta atualmente com mais de 6 mil trabalhadores e tem potencial para 17 km de cais, sendo 40% já operacionais, além de até 25 metros de profundidade atual, o que possibilita a movimentação de navios da classe VLCC (Very Large Crude Carrier), que estão entre os maiores do mundo e tem capacidade de armazenar até 2 milhões de barris de petróleo.

O Complexo tem grande vocação para o segmento de O&G e, atualmente, movimenta petróleo, minério de ferro, carvão, coque, bauxita e gipsita, além de carga geral e de projetos. O Açu também tem autorização para operar veículos e está desenvolvendo um projeto para criar a infraestrutura necessária para a movimentação de contêineres. Além disso, tem ampliado os tipos de cargas movimentadas e clientes, se consolidando como uma excelente opção para a importação e exportação de produtos. Também possui retroárea disponível para instalação de empresas de diversos segmentos. Por ser um porto 100% privado, há uma maior flexibilidade para o desenvolvimento de soluções customizadas e contratos de longo prazo, de acordo com as demandas dos clientes. ( Fonte )

Voltar ao Topo