Mineração

Presidente da Vale e outros executivos renunciam após desastre em Brumadinho

O presidente-executivo da Vale SA, Fabio Schvartsman, e vários outros executivos seniores renunciaram no sábado, no que a companhia descreveu como uma mudança temporária, depois que uma de suas barragens de mineração explodiu em janeiro, matando centenas de pessoas.

A Vale disse que Schvartsman ofereceu sua renúncia, que o conselho “aceitou imediatamente” depois que promotores estaduais e federais recomendaram sua remoção na sexta-feira.

A medida acontece um pouco mais de um mês depois que uma barragem de rejeitos quebrou na mina de Corrego do Feijao, no interior de Minas Gerais, provavelmente matando mais de 300 pessoas e liberando enormes quantidades de lama tóxica.

Foi a segunda explosão fatal em uma barragem de rejeitos ligada à Vale em Minas Gerais em quatro anos.

Schvartsman pediu para ser removido do cargo de CEO em uma base “temporária” e defendeu vigorosamente sua conduta.

As renúncias vieram depois que documentos surgiram nas últimas semanas, mostrando que a Vale sabia que tinha um risco elevado de ruptura e que os inspetores sentiam que estavam sob pressão para certificar a estrutura como segura.

No início desta semana, o jornal Folha de S.Paulo informou que um gerente da Vale havia dito aos executivos que a integridade da estrutura havia piorado, embora a empresa tenha negado veementemente o relatório.

A empresa disse que nomeou Eduardo Bartolomeo, diretor executivo de metais básicos, como o novo chefe da empresa.

Também se demitiram o chefe de minerais ferrosos e carvão da Vale, Peter Poppinga, o diretor de planejamento Lucio Flavio Gallon Cavalli e Silmar Magalhães Silva, chefe de uma divisão geográfica da Vale.

A Vale informou que sua diretoria se reuniu na sexta-feira à noite e na manhã de sábado, seguindo a recomendação dos promotores.

Em uma carta enviada ao conselho por Schvartsman e publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, na qual ele pediu para ser afastado do cargo de CEO em uma base “temporária”, o executivo defendeu vigorosamente sua conduta.

“Estou absolutamente convencido de que a maneira como agi pessoalmente, assim como o resto de nossa diretoria executiva … tem sido absolutamente apropriada, correta e, principalmente, fiel aos nossos valores não negociáveis ​​de manter a segurança operacional como empresa”. a carta dizia, segundo a Folha.

A Vale não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Bartolomeo, o novo executivo-chefe, já foi diretor executivo de marketing e de operações de fertilizantes e carvão, segundo o site da Vale. Ele também atuou no conselho de administração da Vale, bem como no comitê de compliance e risco e no comitê financeiro.

De acordo com seu perfil no LinkedIn, trabalhou como diretor executivo na Vale por 8 anos até 2012, após o que trabalhou como CEO do Brazil Hospitality Group, em seguida, como CEO da Nova Transportadora do Sudeste, uma empresa de gasodutos. Ele voltou a Vale em janeiro de 2018.

Ele tem MBAs do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e Katholieke Universiteit na Bélgica, diz o site.

A saída dos executivos foi divulgada na noite de sábado durante o feriado de Carnaval do Brasil. A principal bolsa de valores do país estará fechada na segunda e na terça-feira, embora os ADRs da Vale reabrem em Nova York na segunda-feira.

Voltar ao Topo